10 Verdades Sobre O Mundo Corporativo Que Ninguém Fala

“O mercado de trabalho não é perfeito. Ele não é formado por
pessoas boazinhas, chefes puritanos ou empresas que colocam seus valores
acima do lucro. Nesta reportagem, o coach Ricardo Melo fala sobre dez
verdades acerca do mundo corporativo que ninguém quer falar.

Após descortinar esses mitos, faça o possível para não ser ingênuo e cair em
armadilhas. Pode ser difícil ter de olhar os fatos sob diversos prismas, mas
o exercício é necessário. Enxergue o mundo corporativo como um jogo: quem
não se interessar pelas estratégias alheias perde!

Saiba que não é o caso de ficar paranóico e descrente. O mercado ainda
resguarda bons lugares para trabalhar, com líderes preparados. Além disso, é
no trabalho que muitas pessoas conhecem grandes amigos, por isso não tenha
medo de confiar em quem julgar que pode confiar. Apenas, com as dicas desta
reportagem, fique mais atento.

As dez verdades

Confira as dez verdades descritas por Melo:

* O mercado quer gente inovadora: Você acabou de ser contratado e está
cheio de idéias para melhorar os processos na empresa. Cuidado! Embora o
mercado valorize muito a inovação no discurso, na prática, não raro, se
observa exatamente o contrário: muitas pessoas nesta empresa podem ser
conservadoras, o que significa que não querem arriscar e mudar. “Dependendo
da cultura da empresa, se você chega com muitas idéias, acaba assustando! Há
chefes que são abertos, mas desde que suas idéias não choquem com as dele”,
diz o coach. Além disso, seja cauteloso ao fazer uma sugestão: sem querer,
você pode acabar expondo a incompetência de um colega ou chefe!
* Com talento e competência se consegue tudo: Competência é
fundamental, a não ser que você seja filho do dono da empresa. O problema é
que ser competente e talentoso não garante seu sucesso. “É preciso saber
aparecer, saber fazer marketing pessoal. Não adianta ter um tesouro que
ninguém sabe que existe, porque está escondido no fundo do mar”, afirma
Melo. E o pior é que, segundo ele, há muitos chefes que escondem os talentos
sob sua sombra, porque temem que alguém melhor ocupe seu lugar. Mas esse
tipo de chefe acaba dando um tiro no pé, porque as melhores pessoas de sua
equipe acabam indo embora.
* Chefes sempre querem o bem de seus subordinados: Não é bem assim.
Existem ótimos líderes por aí, mas também existem pessoas despreparadas em
cargos altos. “Via de regra, antes de pensar nos outros, os chefes pensam em
si. Alguns não pensam nem mesmo na empresa, somente querem saber de salvar a
própria pele”, diz Melo. Moral da história: tenha cuidado para não se iludir
e acabar frustrado!
* Sempre recebe aumento quem merece: Para Melo, esse é o mito dos
mitos. Não é assim. Muitas vezes, você se esforça ao máximo, dá seu melhor
e, no fim, outra pessoa acaba levando os méritos. Acontece. Outras vezes,
seu chefe simplesmente não tem muita afinidade com você e acaba não se
esforçando para que você receba o merecido aumento. São muitas as variáveis
envolvidas.
* Quem é promovido precisa provar que merece o posto: Há quem seja
promovido e, na ânsia de provar que merece o posto, acabe se transformando.
O problema é que uma hora a máscara cai. “Se você é competente, não precisa
provar que mereceu a promoção. Apenas dê continuidade ao bom trabalho. O
profissional que finge ser quem não é mostra insegurança”.
* A avaliação de desempenho está sempre certa: Nem sempre. Depende do
contexto no qual ela foi realizada e da percepção que as pessoas têm de
você, que pode ser equivocada. “O feedback pode ser útil, mas ele deve ser
interpretado”, garante o coach.
* É bom ter amigos na empresa: A frase está correta, desde que você
não misture as coisas e acabe colocando seu emprego em risco. Por exemplo:
um amigo seu foi promovido. Será que você não se achará no direito de faltar
no trabalho, já que seu novo chefe é seu amigo e entenderá? “Amizade é bom
ter em qualquer lugar, é uma das melhores coisas da vida. Mas não confunda o
pessoal com o profissional!”.
* O RH é o melhor amigo dos funcionários: Há profissionais que, quando
têm qualquer problema, correm para o departamento de Recursos Humanos, como
se nele houvesse um confessionário. Mas será que se pode confiar cegamente
no RH? “Existem pessoas sérias no ramo de Recursos Humanos, humanizadas, que
de fato estão lá para ajudar os funcionários e lutar por eles. A questão é
que também existem pessoas que se utilizam de sua posição para detectar
falhas da empresa e dos funcionários. Como resultado, em um programa de
demissão, alguém pode acabar sendo dispensado sem entender o motivo. Por
isso eu digo: se está com um problema com a empresa, tente conversar com
amigos, consultores, coaches”, diz Melo.
* Férias de 30 dias é tudo de bom: Cuidado! Dependendo da empresa e da
situação pela qual ela passa, você pode ter uma surpresa ao voltar para o
trabalho. Outra pessoa poderá estar ocupando seu posto. “No mundo atual, 30
dias acabam sendo muito tempo, a não ser que tenha absoluta segurança no
emprego. Mas dizer que não existe perigo nenhum quando alguém tira férias de
30 dias é relativo”.
* É ruim errar: Algumas empresas cultivam essa cultura do medo; quando
alguém erra, é rapidamente julgado e, muitas vezes, punido. Mas a verdade é
que a questão não é o erro em si, mas a relação que se cria com o erro. O
velho ditado “todo mundo erra” é verdadeiro. No fim das contas, garante
Melo, errar acaba sendo bom, pois o profissional tem a oportunidade de
aprender com uma situação difícil. “Ninguém deve buscar o erro. Mas o fato é
que Napoleão Bonaparte perdeu a guerra porque nunca havia perdido uma
batalha”, finaliza Ricardo Melo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *