A arte de treinar pessoas

5No sentido mais amplo da palavra, treinamento significa: habilitar pessoas em algo que ainda não sabem fazer ou mesmo em algo que não fazem tão bem. Será que é só isto? O treinamento tem funcionado como a mais antiga ferramenta de aperfeiçoamento humano.

Na pré-História, os seres humanos já treinavam suas habilidades de caça e pesca, repassando seu aprendizado de forma teórica e prática e, desta forma, ensinavam e aprendiam uns com os outros. Atualmente, nas grandes empresas, esta missão já foi incorporada definitivamente como atribuição das lideranças organizacionais em todos os níveis. O treinamento deixou de ser um papel do setor de RH – que funciona, no momento, como apoio técnico, formado por consultores especialistas no acompanhamento destas atividades – para ser algo fundamental na competência gerencial.

A competitividade dos dias atuais trouxe mudanças no cenário profissional, principalmente no papel do líder. Este passou a ser chamado de Coach (treinador), representando aquele que treina, desenvolve e acompanha. Mas, o que fazer quando encontramos dificuldade para exercer este “novo” papel? Ter na sala “reféns” do seu treinamento, além de não render, não agrega nada ao seu negócio e não possibilita que as metas sejam alcançadas.

É perfeitamente visível que profissionais com esta habilidade têm se destacado através dos vários resultados positivos que emergem de uma equipe bem treinada. Este tem sido um desafio para os líderes atuais, que muitas vezes detêm o conhecimento técnico e até acreditam que são ótimos educadores, porém não enxergam o link imediato entre os resultados que são exigidos e o conteúdo que estão repassando para suas equipes de trabalho.

Muitas vezes, o aumento de rejeitos ou até mesmo um número expressivo de horas-extras, podem estar diretamente ligados à falta de um treinamento simples, com uma boa parte teórica e ? por que não? – também com prática no próprio local (on the job). Os operadores que saem de um treinamento técnico preparado sem uma linguagem clara e objetiva tendem a se confundir e até aumentar os resultados indesejáveis.

Gostaria de citar abaixo algumas dicas importantes na preparação e execução de treinamentos e apresentações:

1- Tenha em mente que treinar não se resume a repassar simplesmente um material que foi passado para você.Conceba algumas mudanças e torne este material mais agradável e com uma linguagem que sua equipe entenda.

2 – Tenha um compromisso com o aprendizado da equipe, ou seja, desenvolva o poder do pensamento criativo. Use métodos construtivistas, fale de conceitos em que todos acreditam e dê exemplos do dia-a-dia.

3 – Jamais ignore o conteúdo emocional e intelectual da equipe. Bons educadores aprendem no momento em que estão atuando.

4 – Tenha sempre um plano alternativo. No caso de seu treinamento ser extremamente técnico, não deixe que ele fique monótono, nem perca o foco. Observe sempre a fisionomia das pessoas ao seu redor.

5 – Conheça e experimente técnicas de dinâmica de grupo, principalmente as de quebra-gelo, pois elas ajudam a prender a atenção e a despertar a equipe.

6 – Utilize recursos diversos. Filmes, músicas e textos servem de estímulo e exercitam o pensamento criativo dos participantes.

7 – Não esqueça que seus olhos precisam brilhar no momento em que você treina. Esta atividade deve ser prazerosa para você também.

8 – Elabore uma forma simples, porém eficaz, de acompanhar posteriormente como estão sendo utilizados os conteúdos que você passou. Checar é sem dúvida a única maneira de mensurar resultados satisfatórios e promover mudanças na forma de treinar.

9 – Nunca tente ser engraçado quando você não é. O humor é muito importante, ele torna o ambiente melhor. Porém, se aplicado de forma errada, pode debilitar o aprendizado e mudar o foco do seu trabalho.

10 – Seja verdadeiro, ancore em todos a sua visão, a sua crença e compartilhe seus sentimentos. A humildade sempre ajuda nesta hora.

Evidente que estas dicas são apenas experiências analisadas, que podem muito bem servir como base para o seu trabalho.

Acredito que o desafio maior ainda está por vir, porque o treinamento deverá ser avaliado em sua eficácia. Perguntas diversas virão ao seu encontro: o que mudou após o trabalho realizado? Temos como mensurar o que ganhamos com este investimento? Qual a maneira correta de verificar tal resultado?

É interessante ter uma ferramenta simples, dados anteriores, conhecimento dos problemas, resultados de pesquisa de clima etc. Principalmente, tenha método. Bem, mas isto já é outro tema, que podemos abordar em outro artigo. O que não devemos esquecer é que nossos valores éticos constituem-se, basicamente, em compartilhar conhecimento. O verdadeiro líder proporciona e estimula o crescimento pessoal e profissional do seu grupo e só o treinamento leva à perfeição. Para ser um bom treinador, só há um conselho a ser dado: TREINE MUITO, avalie sempre e seja criterioso no acompanhamento de sua equipe de trabalho.

Jairo Martiniano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *