A Escolha É Sempre Nossa…

Elogio ao mau humor

Temos regras fixas do que é certo e errado e somos muito exigentes ao julgarmos a nós mesmos e ao outro, segundo essa referência.
Isso torna a vida muito pesada e sem fluidez, uma vez que tudo que não se enquadre nesses parâmetros é tido como “errado”… Só que nos esquecemos que esses modelos fixos variam de pessoa para pessoa e ninguém é dono da verdade. Cada um de nós tem um sistema de crenças que determina o que é “bom ou ruim”, “certo ou errado”.
O bom seria que não fixássemos nada co

mo verdade absoluta e que nos deixássemos fluir no presente, vazios de certezas e de crenças equivocadas, mas, enquanto não estamos nesse ponto, é sempre bom, diante de uma situação qualquer, onde nos vemos defendendo nosso ponto de vista, lembrar que ele não é a verdade e, sim, só mais um ponto de vista no meio de outros tantos milhões.
Quando estamos vazios de crenças e memórias equivocadas e nos deixamos guiar pela Divindade, naturalmente, não precisamos nos prender a experiências passadas e nem a regras para responder a cada situação que nos chega, em perfeita ordem Divina.
Quando nos baseamos em memórias para responder as situações que a vida nos apresenta, acabamos criando mais e mais problemas e conflitos que só aumentam o sofrimento.
Se não reagíssemos tanto à vida e, a cada dificuldade, tomássemos uma distância da situação para entrar em contato com nossa sabedoria, poderíamos evitar muitos problemas e até entender que, onde muitas vezes enxergamos problemas, na verdade, eles nem existem…. são criações das nossas memórias que sempre nos levam a crer que somos ameaçados e que precisamos nos defender…
Ninguém nos ameaça a não ser nós mesmos… os outros são um reflexo do que temos dentro e não conseguimos enxergar.
E quando entendemos que a opinião do outro, assim como a nossa, quando é baseada em crenças fixas, não são a verdade e sim só mais um ponto de vista… nos sentimos livres e entendemos que, o fato de o outro não gostar de algo em nós, ou de algo que fizemos, não representa que tenhamos algo de negativo e não nos diminui em nada…
Aceitar que tudo que vem de fora, também está dentro, nos leva a não brigarmos tanto com as opiniões contrárias às nossas, e, ao invés de reagir tentando mudar o outro, vamos buscar liberar dentro o que nos fez atrair aquela situação.
Quando entendemos isso, vamos ver que é uma perda de tempo tentar mudar o outro para que ele se adeque às nossas expectativas… o outro só está nos revelando algo sobre nós e, mesmo que nos afastemos daquela pessoa, se não liberamos em nós o que nos incomoda nos outros, logo na frente vamos nos deparar com o mesmo tipo de problema…
Quantas e quantas vezes repetimos os mesmos enredos em outras roupagens, com outros personagens aparentemente diferentes mas que, no fim nos revelam a repetição de um mesmo padrão…
Se não queremos mais repetir histórias dramáticas, é preciso ter coragem de abrir mão do que em nós atrai os mesmos problemas. Parece difícil quando estamos tão intricados nesses histórias, mas sempre está em nossas mãos mudar o enredo porque fomos nós quem escrevemos as peças, nas quais quase sempre somos as vítimas…
Se tivermos coragem e força de vontade, com certeza, vamos conseguir… Mas, será que queremos mesmo mudar a nossa história? Ou já nos acostumamos tanto com ela que preferimos ficar chafurdando na lama do terreno conhecido a dar um salto rumo ao desafiante desconhecido… Uma coisa é certa… A escolha é sempre nossa…   Rubia A. Dantés

One Response to A Escolha É Sempre Nossa…

  1. Grande Profa Rita!!!
    Que texto lindo!!!
    E fala de nossas escolhas…de respeitar as escolhas dos outros e não se julgar o “dono da verdade”!!!
    E eu enviei um Artigo, que desenvolvi…nesta madrugada e deve ter chegado para você…lá pelas sete da matina!!!
    E “comparo” sas “Eleições…o dia das crianças e a inclusão de pessoas com Deficiência”…e gostaria que você lesse e quando pudesse, me desse seu feedback!!!
    Eu amo escrever e você é uma “expert” nesta habilidade!!!
    Fica meu enorme abraço e muito grata!!!

    Lilian cury

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *