A Sorte Depende De Se Ter Sabedoria

Imagem 160

Para o consultor em marketing e comunicação Eloi Zanetti, existe uma certa ingenuidade que faz as pessoas acreditarem que, no final, tudo vai dar certo

Disposto a justificar as dificuldades que o seu time – superior em técnica – enfrentou para conseguir uma vitória mirrada sobre um adversário mais fraco, o técnico explicou: “Estávamos mais bem preparados, acreditávamos no nosso favoritismo e pensávamos que o jogo ia ser fácil, mas o acaso nos deu um golpe, o adversário fez um gol já no primeiro minuto e, a partir daí, as coisas se complicaram”.

Na mesma hora, lembrei-me de já ter presenciado planos de negócio perfeitos no papel, mas arruinados por este tal de acaso. Em outras ocasiões, observei o contrário – situações em que todas as circunstâncias indicavam o caminho de um desfecho trágico e que, no entanto, foram salvas na última hora pelo mesmo acaso.

A história está cheia de encontros e desencontros em que o inesperado promove a grande virada. É isso que torna o futebol tão fascinante: ele escancara a possibilidade do imprevisto em nossas vidas. Expõe em praça pública nossas fragilidades perante os desígnios da sorte – ganhar ou perder o campeonato no apagar das luzes. Em futebol, o time fraquinho, pode sim, ganhar do mais forte. Tudo depende do acaso.

Para nós, humanos, existem duas situações de acasos. Há aquelas que estragam tudo, mudando rumos, destinos e até cortando os fios da vida. E há aquelas que transformam tudo para melhor. Tirando os sorteios e prêmios de loteria, o correr da existência pode trazer “inesperados felizes” e, quase sempre, a gente não os percebe. A este inesperado feliz damos o nome de serendipity. Palavra retirada de um conto do escritor Horace Walpote, que se baseou numa história persa intitulada “Os Três Príncipes de Serendipity” – aventura de três heróis em que tudo dava certo em suas viagens. É uma metáfora que nos fala da importância do acaso em nossas vidas. A sabedoria está em perceber esses momentos e tirar proveito deles. Quem não está atento não percebe seus lampejos de sorte. O acaso só favorece a mente preparada.

Fazer planos e contar com acontecimentos inesperados capazes de desviá-los do rumo não faz parte da cultura dos brasileiros, estes eternos otimistas. Uma ingenuidade atávica nos faz acreditar que tudo vai dar certo no final. Botamos fé em divindades bondosas e confiamos cegamente em governantes paternalistas. Nosso autoengano coletivo não prevê que no meio do caminho pode ter uma pedra e a gente pode “trumbicar” – obrigado Drummond, obrigado Chacrinha.

Saber lidar com a sorte é uma arte. Às vezes, é necessário ter paciência para aguardá-la; em outras, saber aproveitar os momentos em que ela se apresenta. Se o acaso lhe favorecer, prossiga com ousadia – a Deusa da Sorte adora os ousados. E, se entrar em uma maré de azar, não aja: apenas se retire e fique quieto no seu canto até a onda passar. Dominar esses fatores aleatórios é uma sabedoria. A sorte se encontra na prudência e o azar, na precipitação.

Por isso, seja qual for o plano ou projeto, devemos sempre ter em mente que o jogo só acaba quando o juiz dá o apito final. Até lá, tudo pode acontecer. Fazer planos detalhados, precisos e cientes dos resultados que almejamos é salutar. Mas colocar em nossa mente que alguma coisa pode dar errado é mais salutar ainda. Se estivermos preparados, poderemos atenuar os efeitos das viradas desnecessárias ou aproveitar a guinada de um vento a nosso favor. Oportunidade quer dizer o bom vento que leva o navio ao porto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *