Acerta O Passo, Amor

Saí para caminhar num parque perto de casa, esta linda manhã de sol. Em silêncio, atenta a minha própria respiração, era inevitável observar as tantas pessoas que iam e vinham. O dia e aquele lugar estavam encantadoramente sintonizados. Algumas pessoas andavam sozinhas, outras com seus pares. Avós brincavam com seus netos, mães e pais com seus filhos. Amigos confidenciavam as novidades entre si e riam de seus causos. Muitas vidas. Diferentes sonhos. Incontáveis sentimentos. Cada um anda no seu ritmo, pensei numa fração de segundo. Tal reflexão foi decorrente de uma cena específica: já havia notado bem próximo de mim, um casal caminhando a passos largos, como quem quer abandonar a vida sedentária e ganhar em boa forma e saúde. Tanto ele quanto ela eram jovens, bonitos e visivelmente comprometidos, devido à aliança que ocupava o dedo anelar da mão esquerda de ambos. Depois de alguns bons metros, ela foi ficando para trás, mas distraída com tantas paisagens, sons e movimentos, nem percebeu.

Talvez eu achasse que nem ele, não fossem suas recorrentes olhadinhas para trás, a fim de monitorar a distância que os separava. De repente, como quem não quer diminuir a velocidade, mas também não quer perder de vista sua companheira, ele gritou (num tom imperativo e, ao mesmo tempo, cheio de ternura): ” acerta o passo, amor!”.

Surpreendida pela própria situação, ela se assustou e imediatamente sorriu, dando alguns pulinhos até alcançá-lo. Neste momento, numa atitude sincronizada e cheia de significados, os dois se deram as mãos e continuaram a caminhada em silêncio.

Cruzei com eles mais duas vezes e lá estavam, sintonizados, de mãos dadas, provando que basta um tantinho de atenção e disponibilidade para que duas pessoas caminhem lado a lado, rumo a um único objetivo, em última instância: continuarem juntas, cada qual incentivando a outra quando – por qualquer razão – seu ritmo diminuir! Mas, infelizmente, a maioria dos casais anda distraída demais para se dar conta de que o outro está muito adiante ou de que ficou para trás. Falta atenção de um e disponibilidade do outro. Esquecem de darem-se as mãos e a sintonia vai desaparecendo em meio a rotina cansativa e morna do dia-a-dia.

Sempre penso que não importa qual seja o objetivo, um encontro só pode ser bom quando há sintonia, quando os ritmos estão afinados. Porque quando o desejo de um é diferente do desejo do outro, chegará o tempo em que as insatisfações serão cada vez maiores. Seria o mesmo que dizer que não acredito em quem aposta na possibilidade de amar pelos dois numa relação. Creio que relacionamentos sejam feitos de reciprocidade e troca. Não se trata de contabilizar, mas de cada um fazer a sua parte.

Também não se trata de submeter os sentimentos a uma avaliação racional, mas de perceber que dois corações não podem se enxergar quando um corre na frente e o outro corre atrás. Portanto, se realmente quer estar com uma pessoa, minha sugestão é que você note onde ela está: à sua frente, atrás de você ou ao seu lado? Se a sua resposta não for a terceira opção, trate de acertar o passo, amor! – Rosana Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *