Auto-estima x Individualismo Um jogo Que Tem Nos Conduzido À Solidão

Num tempo em que a auto-estima tem sido tão ovacionada, as pessoas têm confundido amor-próprio com individualismo e egoísmo.

Empolgadas com a possibilidade de se gostarem mais e reconhecerem com mais propriedade as suas qualidades, têm perdido o equilíbrio entre ‘ser’ e dar espaço para que o outro ‘seja’.

Passam a valorizar tanto a idéia de que devem se amar como são e especialmente que merecem ser amadas exatamente do jeito que são, que se equivocam quanto ao que seja relacionamento, troca, amor e felicidade.

Tanto que tem sido muito comum ouvir alguém dizer convictamente coisas do tipo: ‘se fulano realmente me amar, tem de me aceitar como sou’. Embora haja um fundo de verdade nesta afirmação, existe uma enorme diferença entre aceitar você como você é e engolir tudo o que você faz sem reagir a nada.

Quando você diz ‘não vou mudar só porque o outro acha que estou errado’, sem ao menos refletir e considerar o que está sendo dito, isso não amor-próprio e sim de falta de humildade e arrogância.

Relacionamentos são veículos sensacionais para que a gente consiga perceber nossas limitações e nossas dificuldades, mas se nos colocarmos como donos da razão, nos tornaremos cegos para a oportunidade de nos rever, ceder em alguns pontos e admitir que estamos enganados muitas vezes.

Precisamos considerar nossos enganos, dando razão ao outro para que possamos, através dos encontros, construir a verdadeira auto-estima, e não muros que nos distanciam das pessoas, tornando-nos prepotentes e bem pouco atraentes.

A auto-aceitação é um sentimento excelente, desde que inclua a noção de que cometemos erros e principalmente de que só se pode ser feliz se, na mesma medida, soubermos aceitar o outro. Caso contrário, cairemos na armadilha da solidão como conseqüência de um egoísmo que repele em vez de atrair.

Perceba a diferença entre individualidade e individualismo. A primeira sugere nossa divina singularidade e a segunda sugere o radicalismo da primeira. É quando deixamos de reconhecer a divina individualidade do outro.

Amar a si mesmo só pode ser de fato uma conquista quando você compreende que não pode crescer sem a presença das pessoas, sem trocar com elas, cedendo e se impondo conforme o ritmo das circunstâncias…

Como numa dança – a dança de amar e ser amado!  Rosana Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *