Bisbilhotar A Vida Do Outro É Inveja?

3

Com certeza que quem bisbilhota e se intromete na vida do outro teria que querer bem e ajudar esse próximo. Muito poucos, porém, estão comprometidos com uma verdadeira relação de amor e compaixão para com seus semelhantes. Na verdade, quando desejam saber, o intuito subterrâneo sempre fica por conta de se ter alguma notícia com alguma novidade sobre o fulano para que a mesma seja julgada por um critério de valores contaminado pela inveja crônica. Infelizmente, poucas são as pessoas que, de verdade, torcem para que o seu próximo alcance a tal da felicidade.

E por que é tão difícil deixar de se ter inveja no pior sentido da palavra?

“Simplesmente porque o que é invejado no outro, via de regra, sempre é a expressão exata da não realização dos desejos mais profundos e que não se consegue bancar. Saber, portanto, o quanto o outro ousa existir mais livremente é insuportável”.

E a solução?

“Tomemos como resposta o desafio de conseguir olhar para as profundezas de si mesmo. O desafio de desarmar-se a ponto de poder entrar em contato com toda a realidade dos sentimentos ativados na hora em que se quer saber da vida do outro. Ser humilde e maduro o suficiente para se autoenfrentar e, por fim, ter coragem para se assumir”.

E qual seria a finalidade de tudo isso? Para que e por que parar de bisbilhotar a vida do outro?

“Para que o essencial da alma possa ser libertado de todas as limitações que o aprisionam impedindo a sua evolução”.

Como proceder para evoluir?

“Toda essa empreitada tem destrinchamento trabalhoso sendo que o sucesso exige seriedade de propósito somado à atenção incorruptível. O progresso genuíno dependerá também da disponibilidade de ser amoroso consigo próprio, ao mesmo tempo em que sincero e disponível a tudo o que for encontrado e resgatado dentro de si. É um verdadeiro serviço de reavaliação pessoal em que a alavanca para o êxito está diretamente ligada à abertura de espaço para se receber luz nos conteúdos interiores mal resolvidos (aspectos da sombra), normalmente, projetados no outro. E esse outro obscuramente costuma ser o pior, o que a pessoa mais odeia em si mesma, o que não consegue dar conta e, paradoxalmente, é que o mais deseja, o que sente falta.

Um dos maiores desafios que existem é o de se entregar a si mesmo. Render-se às próprias fraquezas e entrar em contato lúcido com tudo o que muito se almeja e que é difícil de se exteriorizar. Certamente que não é tarefa fácil. Complexo também é transformar valores preconceituosos que apenas servem para represar a alma e a energia vital.

Bisbilhotar e invejar a vida do outro reduz a capacidade de ser criativo, pois a vida, para este tipo de indivíduo, acontece apenas pela janela afora. Limita o ser humano a um sistema robótico que bloqueia tanto sua energia emocional como a vital. Transformando-o em mero robô que nem ao menos sabe o quanto facilmente é monitorado.

O perigo está na morte em vida, mas há opção e poder de escolha, sempre há. Ou se fica do lado de dentro da janela, vendo a vida passar lá fora, maldizendo e criticando tudo o que se bisbilhota da vida do outro que está andando livremente pela rua, ou decide-se bancar a si próprio e sair para o mundo. Se você estiver nessa situação e resolver sair, saia, mas não pela janela e, sim, pela porta da frente, de peito aberto e de cabeça erguida para poder se experimentar e apenas ser. Admitir que tem se ocupado de bisbilhotar e invejar a vida do outro não é tarefa fácil, mas vale a sua vida mudar esse padrão, se tem sido este o seu comportamento.

Lembre-se, é você quem escolhe.

Relacionar-se consigo mesmo e ver as próprias limitações é penoso, mas ao mesmo tempo libertador. Você pode mudar seu padrão optando por ser responsável apenas por sua vida e finalmente sentir-se livre e, por que não dizer, feliz!

Pare de sabotar a sua alegria, sendo digno de sua existência.              Silvia Malamud

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *