Cinco Dicas Para O Sucesso Da Empresa Familiar

Algumas reflexões sobre os caminhos das empresas familiares, seus problemas e soluções e a sua sobrevivência pela profissionalização total   Um resumo do conteúdo do áudiolivro “As 10 Dicas Para o Sucesso da Empresa Familiar” (dicas comentadas)

Dica 1: Entender que os problemas podem estar escondidos sob uma cortina do sucesso financeiro e social e procurar definir claramente sua origem e dimensão…

Comentário do autor : o negócio familiar começou a gerar dinheiro e a família já começou a se envolver com a elevação do status social, restaurantes, shoppings, roupas de grife, eventos, viagens ao exterior, carros importados, aquisição de imóveis…recomendamos reunir a família (esposa,filhos,parentes envolvidos) e refletir o negócio, repensar sua estrutura e funcionamento, organizá-lo adequadamente, gestão e operações, para que seja perpetuado, continue gerando o conforto e o bem estar que a família faz por merecer e o seu novo padrão de vida….

Já convivemos com essa situação orientando famílias que alertamos para “segurar a onda” com sucesso….E também já conhecemos famílias que orientamos espontaneamente, apesar de não contratados para isso, mas não acordaram em tempo, apesar de alertadas…. Daí, recomendamos também pôr os pés no chão, segurar o freio dos gastos supérfluos e investir no aumento de patrimônio mais sólido, tanto a nível pessoal, como da organização, permitindo a segurança de reservas e capital de giro, quando for necessário…E também pedir ajuda, quando se tornar necessário!

Dica 2:Compreender que num universo onde existem mais de 02 pessoas, as decisões tem que ser compartilhadas e exercitar esse processo desde o início da empresa…

Comentário do autor : mesmo sozinho como proprietário, normalmente a pessoa tem alguém da família com quem trocar idéias (irmãos, pais, esposa, marido) ou amigos mais íntimos…ainda é melhor opção que decidir sozinho…..Por outro lado, quando a sociedade envolve marido e mulher, necessariamente as decisões tem que ser compartilhadas, até mesmo com os filhos, se tiverem idade para compreender o que acontece…..Se envolver mais de um casal, tipo dois irmãos, que são sócios, mas também são casados, mesmo que seus companheiros não participem, também a decisão deverá ser compartilhada entre os sócios e também com os companheiros em casa, para ficar mais clara, mais lúcida.

Se os sócios forem dois casais, as quatro pessoas deverão sentar na sala de reunião e discutir o melhor caminho….em suma, sempre uma decisão compartilhada será melhor que uma isolada, seja por envolver pessoas com r visões diferentes do negócios, mas também por enriquecer a decisão e reduzir os riscos de errar….Lembro, que nos dias atuais, qualquer erro de trajetória poderá ser fatal ao negócio….

Dica 3: Criar processo de treinamento e capacitação interna e externa dos herdeiros e sucessores, com orientadores previamente definidos, de forma que venham para a empresa já com formação básica e conceitual definida e conhecimento do funcionamento da mesma…

Comentário do autor: nenhum herdeiro nasce pronto para ser um executivo brilhante, mesmo que tenha herdado o talento dos pais…é preciso cuidado com o “Ego” e criar um processo de preparação adequada dos herdeiros desde o início das atividades da empresa, envolvendo todos, homens e mulheres, com os mesmos direitos, desde que desejem vir para o negócio da família e tenham capacidade para ser integrados….

Deverá ser criado um Programa de Preparação dos Herdeiros, envolvendo : formação acadêmica básica mínima de nível superior (…ôpa, eu nunca estudei e tenho tudo isso ! , poderá dizer o pai….eu respondo : é verdade, bons tempos esses, mas no futuro, com a competição cada vez mais acirrada, terão melhores chances os que estiverem melhor preparados, é isso que você deseja para seu filho?…Ou quer vê-lo naufragando os negócios da família ?….) . Externamente, poderão fazer cursos, eventos e trabalhar no exterior em negócios que nada tenham a ver com os da família e onde serão tratados como “pessoas comuns”, irão “ralar para demonstrar seu valor” e aprender a fazer seus próprios pratos, talvez a “lavar sua própria roupa”, enfim crescer como pessoas e profissionais…..Poderão também fazer estágios ou atuar em outros negócios no próprio país, após se formarem, antes de vir para os negócios da família, trazendo com isso conhecimentos (know-how) novos, que irão “oxigenar a estrutura”…

Internamente, a partir dos 15 anos, poderão ir conhecendo a empresa, suas rotinas e processos, para decidir, quando forem estudar, se querem ou não “aquilo” (é o que dizem), para si…Caso não queiram, um quer ser advogado, outro médico, os pais deverão entender e até se sentirem aliviados, porque seus negócios estarão permitindo a seus filhos atingir seus sonhos e metas…Essa é uma finalidade maior dos negócios, que deveria estar na sua missão… Temos feito por solicitações de amigos, o trabalho de “coach” (conselheiros) em alguns casos, orientando jovens herdeiros, um papel que os empresários poderão requisitar no mercado ou a outros empresários amigos, que tenham jeito para “serem padrinhos de jovens herdeiros”….

Dica 4 : Criar um conselho de família para definir entrada e saída de famíliares nas empresas, gestão dos recursos financeiros e materiais e política geral…

Comentário do autor: os conselhos tem uma constituição simples, juntando-se os sócios, os membros do conselho, seus familiares e decidindo quem irá fazer parte, com representantes das famílias, de forma que ninguém fique de fora…..Se os sócios forem quatro famílias, pelo menos um membro de cada família deverá constituir o conselho de família, que não deverá ser confundido com outros conselhos (de sócios, administração…).   Este conselho, poderá ter um estatuto, que poderá ser registrado, formalizando suas decisões, com as famílias, assinando oficialmente e delegando aos seus representantes autoridade para decidir nos assuntos da sua competência, criando normas, iniciando normalmente pela normalização da entrada e saída de familiares e gestão dos recursos financeiros, materiais e política geral….

Quem poderá entrar na empresa ? Quais os critérios ? Qual o processo de integração ? Vai seguir carreira ou direto para níveis de decisão ? Recomendamos considerar como normal a entrada de quem venha para contribuir, para enriquecer a empresa, que tenha formação compatível, vontade, prazer em vir trabalhar, sem ser forçado pela família….

E quem deverá sair da empresa ? Aquele que só arruma encrencas com as pessoas ? O parente herdado, por falecimento de sócios ou outros parentes mais próximos, que você acredita estar socialmente ajudando, dando um alto salário, um cargo de respeito, independente da sua competência……Esse papel já é antigo demais, é hora de repensar sua atitude e tomar a melhor medida para seu negócio, mesmo que arrumando outro lugar para esse “personagem”…”o incompetente familiar”….

Quanto aos recursos, seja uso de veículos, imóveis, produtos da empresa, particularmente, o conselho deverá prever em seu estatuto e normas, mas evitar que parentes que não usam em hipótese alguma, por respeito, entrem em choque com outros que não fazem cerimônia, nem sintam constrangimento algum em usar…..Se todos concordaram, talvez o apartamento da praia, adquirido para hospedar executivos dos clientes, também possa ser usado pelos familiares dos sócios…. Nesse caso,é bom fazer uma escala dos feriados e datas básicas para evitar que mais de uma família marque a mesma data…..Quanto aos veículos da empresa, a melhor alternativa é colocar adesivos chamativos e cada um usar seu próprio carro nos fins de semana…Os pagamentos de contas em supermercados, postos de gasolina e outros locais, quando particulares, deverão ser feitos com seus próprios cheques e não com os da empresa, gerando um “caos na contabilidade”….Gastou, então pague com seu dinheiro, essa é a regra de ouro.

Dica 5 : Proporcionar absorção de familiares nas empresas desde que cumpridas as regras definidas e venham para somar.         Da mesma forma, preparar a saída daqueles que estejam destruindo a gestão familiar.

Comentário do autor : como já comentado na dica 4, o conselho de família irá definir as normas para entrada e saída dos familiares e as regras básicas deverão ser basicamente as definidas acima. Quer vir para os negócios da família, é formado, vai contribuir, vai enriquecer o negócio ? Então será bem vindo ! Se for para atrapalhar, é melhor ficar em casa e receber mesada !   Ou ir estudar e fazer carreira fora dos negócios e talvez ter o seu próprio negócio, quando descobrir sua vocação…

Tenho um caso de um conhecido, que tem uma fábrica de bolsas femininas, com lojas em 04 shoppings e o filho mais velho quer montar uma academia de ginástica, sem nunca ter feito educação física, apenas por que é “marombeiro” (….malhador de academias….), não tem formação superior, não tem experiência, não atua no negócio da família, nem quer saber de trabalho pesado…..é um risco muito grande de não dar certo e família está “com a pulga atrás da orelha de medo de investir e quebrar a cara”…. E também não querem investir em ajuda externa ! (o conflito entre ser pão-duros e investir em ajuda ou no negócio desejado).

 

Autor : Prof.João Mariano de Almeida, administrador de empresas, com pós em RH e mestrando em Gestão de Negócios, atuando desde 1981, em T&D (para formar e reciclar lideranças) e produtividade pessoal (redução dos ciclos das atividades). Também desenvolve Projetos de Melhorias dos Resultados (PMR),focando marketing-vendas, compras-estoques, produtividade-processos, redução de custos-desperdícios, nas empresas familiares. Em RH, forma multiplicadores nos processos de avaliar desempenho-rever funções-atividades-responsabilidades-autonomia. É autor do kit de áudiolivros “As 10 Dicas para o Sucesso da Empresa Familiar”. pmr.mariano@bol.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *