Diferencial Competitivo: O Abacaxi

O título do artigo soa estranho: O que tem a ver o abacaxi com diferencial competitivo?

E mais: Posso dizer que no mercado, a história do abacaxi é um diferencial necessário e enorme.

Como assim?

Vamos ler a história primeiro:

João trabalhava em uma empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa.

Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação:

– Patrão, tenho trabalhado durante estes 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado. O Juca, que está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu.

O patrão escutou atentamente e disse:

– João, foi muito bom você vir aqui. Antes de tocarmos nesse assunto, tenho um problema para resolver o gostaria de sua ajuda. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoça. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi.

João, meio sem jeito, saiu da sala e foi cumprir sua missão. Em cinco minutos estava de volta.

– E aí, João?

– Verifiquei como o senhor mandou. O moço tem abacaxi.

– E quanto custa?

– Isso eu não perguntei, não.

– Eles têm quantidade suficiente para atender a todos os funcionário?

– Também não perguntei isso, não.

– Há alguma outra fruta que possa substituir o abacaxi?

– Não sei, não…

O patrão pegou o telefone e mandou chamar o Juca. Deu a ele a mesma orientação que dera a João:

– Juca, estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoça. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi.

Em oito minutos o Juca voltou:

– Eles têm abacaxi, sim, e em quantidade suficiente para todo o nosso pessoal. E se o senhor preferir, tem também laranja, banana e mamão. Abacaxi é vendido a R$1,50 cada; a banana e o mamão R$ 1,00 o quilo e a laranja R$20,00 o cento já descascado. Mas como eu disse que a compre seria em grande quantidade, eles darão 15% de desconto. Aí aproveitei para deixar reservado. Conforme o senhor decidir, volto lá e confirmo – explicou Juca.

Agradecendo as informações, o patrão dispensou-o para retornar ao trabalho.

Voltou-se para João, que permanecia sentado ao lado, e perguntou-lhe:

– João, o que foi mesmo que você estava me dizendo?”

Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/profissaoestagiario/2010/04/13/o-abacaxi-uma-licao-de-gestao-diferenciada/

Quantos e quantos Joãos você conhece como da história acima? E quantos Jucas você conhece?

Trabalhar 20 anos é um diferencial? Depende.

Trabalhar até tarde todos os dias é um diferencial? Depende.

Trabalhar sem dar uma risada é um diferencial? Depende.

Ter emprego é uma coisa.Ter diferenciais é outra. Vinte anos numa empresa pode significar comodismo. Ficar até mais tarde todos os dias pode demonstrar desorganização ou trabalho demais (o colaborador não sabe dizer não). Não sorrir no trabalho pode significar falta de interação com colegas…

Enfim, para criar diferenciais temos que pensar diferente. Pensar de forma completa. Compreender que o trabalho é mais do que apenas produzir algo ou entregar algo, temos que compreender o porque que estamos produzindo ou entregando.

Somente com os porquês é que teremos a resposta adequada as perguntas da vida que se traduzem em diferenciais no caminho.

Artigo escrito por Gustavo Rocha – Sócio da Consultoria GestaoAdvBr
www.gestao.adv.br  |  gustavo@gestao.adv.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *