É Possível Ser Racional E Emocional Ao Mesmo Tempo?

 racionalidade

Uma das crenças mais comuns relativas à racionalidade é que esta se opõe a emoções.

Claro, racionalidade é processada no cérebro e emoções no coração, elas não se relacionam, certo?

Errado. Primeiro, todas as suas emoções são processadas no cérebro; essa menção do coração é apenas poética, ele não faz nada além de bombear sangue.

Em segundo lugar, suas emoções são informação, sinais de como você se sente a respeito de situações a sua volta. Assim como qualquer outra informação, você pode utilizá-la para tomar melhores decisões.

Aquela imagem do racionalista frio e calculista oposta à imagem da pessoa aberta, emocional e boba na vida… isso simplesmente não faz o menor sentido. Não existe uma regra na matemática obrigando que você seja “frio como um robô” para que seja possível saber mais sobre o mundo e fazer melhores escolhas.

Como Eliezer Yudkwosky, fundador da maior comunidade de estudo de racionalidade no mundo, coloca bem:

Então racionalidade é ortogonal aos sentimentos? Não. Nossas emoções surgem de nossos modelos de realidade. Se eu acredito que meu irmão morto foi descoberto vivo, eu estarei feliz; se eu acordo e percebo que foi um sonho, eu estarei triste. P. C. Hodgell disse: “Aquilo que pode ser destruído pela verdade deve ser”. A felicidade do meu eu do sonho foi oposta à verdade. Minha tristeza ao acordar é racional; não há verdade alguma para destruí-la.

A busca pela verdade, essa jornada para chegar a um melhor entendimento sobre ‘como o mundo funciona’, pode diminuir alguns sentimentos e intensificar outros. É tudo uma questão de saber se eles são baseados em mentiras ou em verdades; ser mais racional vai lhe ajudar a identificar qual é qual.

Tornar-se mais racional – chegar a melhores estimativas de como-o-mundo-é – pode diminuir sentimentos ou intensificá-los. Algumas vezes nós fugimos de sentimentos fortes ao negar os fatos, ao nos virar para longe da visão de mundo que deu origem àquelas emoções poderosas. Se esse é o caso, então conforme você estuda as habilidades da racionalidade e se treina para não negar os fatos, suas emoções se tornarão mais fortes.

Se por um lado você não deve agir de modo robótico para ser racional, por outro, você nunca pode ser “racional demais”. Quando alguém (ou você mesmo) comenta “você está sendo racional demais”, pode levantar uma bandeira que tem algo errado ali.

Basta enxergar seu cérebro como uma máquina. Ser racional significa utilizar essa máquina da melhor maneira possível usando os conhecimentos disponíveis sobre como ela opera (inclusive as informações que suas emoções fornecem). Não faz sentido falar em ser “racional demais”; o que isso quer dizer? Que você deveria ser menos racional? Usar só 30% da potência daquela ferramenta?

No final do dia, ser racional significa usar todas as ferramentas possíveis para chegar à verdade sobre como as coisas funcionam. Isso vai permitir uma maior eficiência nas ações e deixá-lo mais próximo do que deseja. Nessa jornada, você vai usar emoções como fonte de conhecimento para lhe esclarecer as coisas com as quais se importa, não como refúgio para a irracionalidade.   Paulo Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *