Ema, ema, ema! Cada um com seus problemas

algebra

A você parece muito grosseira esta exclamativa?!? A mim também, pode apostar! Entretanto, em certas ocasiões, quando não conseguimos tomar posse de nós mesmos e cuidar de nossa própria vida para, enfim, fazermo-nos felizes, talvez esta seja a assertiva mais apropriada.

Quantas vezes nos pegamos tomados por sentimentos com os quais não sabemos lidar e, ao invés de tentarmos descobrir, ou melhor, aprender, simplesmente responsabilizamos o outro?

Claro… assim é bem mais fácil! Acreditar que o outro é o culpado por estarmos inseguros, ciumentos e morrendo de medo de perdê-lo é infinitamente mais cômodo e até aparentemente justificável. Só que enquanto não tivermos coragem de mergulhar em cada um de nossos buracos internos e emocionais, não conseguiremos preenchê-los com o único material adequado que existe: nossas próprias respostas.

Como fazer isso? Respirando fundo e se enchendo de presença de espírito. Apostando que começar é preciso. Dar o primeiro passo é fundamental para se chegar em qualquer lugar. Neste caso, o primeiro passo é se posicionar. Posicione-se!

O que você quer da vida, do amor, desta relação mal resolvida, deste namoro em crise, deste casamento em apuros? O que você realmente quer? Não estou falando desta vontade de sair correndo e fugir do caos. Não estou falando de fingir que está tudo bem. Não estou falando deste desejo incontrolável de vestir a fantasia de vítima, chorar e acusar o outro por tudo o que ele vem fazendo.

Talvez ele não tenha ligado, talvez ele não tenha lhe dado atenção. Talvez ele não tenha correspondido às suas investidas, ao seu carinho, à sua dedicação. Talvez ele não saiba fazer isso. Talvez ele nem tenha notado. Talvez ele não queira. Talvez, talvez, talvez…

O ‘talvez’ nos remete a uma tortura mental impressionante, desgastante e dolorosa. Uma tortura que nos deprime e vai comendo toda a nossa autoconfiança e auto imagem. Porém, só existe uma maneira de acabar com o ‘talvez’: posicionando-se!

Não somente para si mesmo, embora esta seja a primeira atitude a ser tomada. Mas também para o outro. Esclareça-se. Fale sobre o que deseja, reconheça seus limites, seus medos e inseguranças.

Tem gente que não fala porque sabe que vai chorar, que vai engasgar, que vai ficar confuso e as palavras vão sumir momentaneamente…. Bobagem!!! Fale assim mesmo!
É difícil pra todo mundo. Não fomos treinados para falar sobre sentimentos. Nem tampouco para ouvi-los. Ficamos constrangidos. Queremos fazer o outro parar de chorar de qualquer maneira, simplesmente porque não sabemos o que fazer com alguém que chora diante de nós…

Não precisamos fazer nada! Apenas ouvir, acolher, em silêncio… Não precisamos nem parar de falar quando o choro embarga a voz. Falemos chorando, mas falemos!

Porque é somente quando a gente sabe o que quer e deixa isso claro numa relação é que se pode andar pra frente. E tem mais: às vezes, falar não é o suficiente, porque o outro ouve, mas não muda. Quando isso acontece: mude você! Aliás, mude sempre que necessário para se adequar ao que realmente deseja para sua vida.

Mude as atitudes. Mude as escolhas. Mude a postura! Enfim, resolva seus problemas e pare de adiá-los por conta do outro. Pare de justificar sua indignação e sua insatisfação através das atitudes do outro. Não está bom? Realmente não está? Então, pare de se perder e vá embora!!!

Não quer ir? Então, arregace as mangas, lance mão da sua força, do seu amor e da sua vontade de fazer dar certo e comece tudo outra vez, mas de um jeito novo. Afinal de contas, a vida é isso: um constante recomeço… especialmente quando o que pode renascer é o amor! Rosana Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *