Emails: Necessidade ou Compulsão?

Recentemente na França foi proibido a todos os patrões que enviassem emails a seus funcionários ou estes acessarem seus emails e documentos de trabalho após as 18h.

Não vamos abordar a questão da legalidade, se isto é justo e perfeito para os empregados, nem mesmo se empregados são folgados ou empregadores são malvados, até porque o comparativo seria nulo, uma vez que lá a regra é de 35 horas por semana e a cultura de lá e a nossa são diferentes no tocante ao trabalho.

Vamos pensar no título do artigo: Temos necessidade ou compulsão pelos emails?

Quando você pensa em email, você:

(a) Já verifiquei hoje

(b) Já olhei várias vezes hoje

(c) Estou lendo este artigo e verificando novamente

(d) Não verifiquei hoje

(e) Opa, agora me lembrei que tenho um email, vou verificar.

Qual a sua opção?

 

Uma grande parcela está nas letras “b” e “c”. Trata email como se cada email recebido fosse uma prova de carinho, uma forma de alguém dizer “Te amo”. Sinceramente… Sentir vazio porque não recebe um email é uma falta de amor próprio enorme.

Além deste tipo que fica desesperado com emails pessoais, há os compulsivos profissionais.

Tenho que responder, isto é prova da minha eficiência.

Tenho que ler, analisar e responder na maior brevidade possível, isto será bom para minha carreira.

Enviaram o email as 23h40m e tenho que responder antes das 8h para mostrar que sou motivado e que trabalho mais que os outros…

Exceto se você trabalha por conta e seus emails pessoais e profissionais são os mesmos (e mesmo assim deve haver limites), devemos criar regras para ler, analisar e responder os emails.

Ler emails enquanto aguarda ser atendido num médico, por exemplo, pode ser útil, ajuda passar o tempo e ainda limpa a caixa de entrada.

Agora, ler emails enquanto está com outra pessoa na sua frente, além de ser uma gafe, é desprezar a pessoa que está com você. A pergunta é: Você veio falar comigo ou ficar me mostrando o seu último email/post no celular?

Em 2013, em um projeto de consultora que fiz, implementamos em uma empresa a substituição de quase 90% dos emails por fluxos dentro do sistema de gestão deles, de forma a que esta compulsão e desorganização que os emails proporcionam acabasse.

E você, o que tem feito para mudar de necessidade – quando ela realmente existir – a compulsão que hoje existe em sua vida em relação aos emails?

Gustavo Rocha-GestãoAdvBr CEO – Consultancy on Strategic Management and Technology-Bruke Investimentos CEO – Business, Valuation, M&A, Opportunities, Market Business and more.Web: www.gestao.adv.br | www.bruke.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *