Escolhendo Uma Dinâmica

Respondendo a essas perguntas básicas, você terá maior segurança ao escolher uma dinâmica e o grau de risco/frustração será bem menor.É preciso saber também que existem dinâmicas de:
a) Apresentação
b) Formação de grupos
c) Integração
d) Conhecimento de si mesmo
e) Conhecimento dos outros
f) Estudo e Trabalho
g) Recreação e outros

Que cada dinâmica tem uma estrutura:

a) Objetivo – o que você pretende alcançar com tal dinâmica ?

b) Tempo – qual o tempo que se gasta com essa dinâmica ?

c) Participantes – quantos participantes são necessários
e quantos há ?

d) Desenvolvimento Como é o processo de sua aplicação ?

e) Avaliação – qual a melhor forma de avaliar a sua
aplicação ?

f) Outros componentes:
espaço – Que espaço é preciso e de qual disponho? É um espaço adequado para o tipo de dinâmica que preciso aplicar ? Observe tudo: ambiente, tamanho, conforto (ou ausência, caso seja necessário), luminosidade, clima, local para colar cartazes, móveis, etc.
material – Tenho todo o material necessário: material para a dinâmica, material de apoio, equipamentos, recursos audiovisuais, etc. Lembramos que todo tipo de material pode ser utilizado em dinâmica e jogos, dependendo da criatividade do facilitador em pensar uma forma de aproveitá-lo, por exemplo: sucata, tampinhas, cartões, cordão, fichas, jornal, revistas velhas, figuras, fotos, papel de diversos tipos, brinquedos, balões, palitos, etc. Essa lista não tem fim !
envolvimento do pessoal – Que grau de envolvimento das pessoas essa dinâmica exige ? Como estão as pessoas agora ? Como está o clima do grupo ? Como foi o envolvimento na apresentação ou em algum trabalho anterior a essa dinâmica que vou apresentar ? Caso já tenha passado o intervalo, como você percebeu as pessoas durante o cofeebreak ? O facilitador deve ainda, chegar um pouco mais cedo do que o que planejou para preparar a sala, e deixar um tempinho de sobra, para conversar com as pessoas quando elas vão chegando. Assim dá para perceber um pouco do grupo e já ter uma noção do que pode aplicar. Isso é muito bom, principalmente, no primeiro dia de trabalho.

clareza na aplicação – Preciso ser muito claro nas explicações para a aplicação da dinâmica a fim de que o grupo não tenha dúvidas quanto às etapas
que devem cumprir, salvo quando a dúvida fizer parte do trabalho. Mesmo assim, o que precisa ser explicado deve ser feito da melhor forma.

interligação com o assunto tratado – Qual a ligação que ela tem com o assunto que estou tratando no curso ? Essa ligação eu preciso saber na hora em que respondo à pergunta: “Qual o objetivo que desejo alcançar com essa dinâmica? ” É a razão pela qual ela vai ser aplicada. Uma dinâmica que não está no contexto e tem a “função” de apenas preencher o tempo, não deveria estar nos “planos” do facilitador.

contexto geral em que acontece – Observe o momento, a disposição das pessoas, o local, o clima, algum acontecimento anterior ao momento da aplicação, pense no resultado esperado e nos “efeitos colaterais”, na sua própria disposição no dia, nas interferências externas e tente “prever” os imprevistos.

identificação – Dentre inúmeras coisas que poderíamos refletir sobre dinâmicas de grupo, não poderíamos esquecer a questão da identificação do instrutor com esse método de trabalho. O instrutor precisa ter, naturalmente ou por treino, um certo “jeito”, carisma, identidade, com a utilização de dinâmicas. É algo que envolve, em que você coloca algo da sua própria pessoa, como se fosse um tempero que ninguém consegue ter um igual; cada um tem o seu.

A postura do instrutor na hora da aplicação pode facilitar, dificultar ou tumultuar o processo, ou torná-lo sem efeito.

Embora já tenhamos refletido um pouco sobre o estudo, gostaria de enfatizar este item. Não se pode aplicar uma dinâmica “achando” que vai ser muito boa, só porque já foi aplicada em outra oportunidade, porque você viu uma vez, porque alguém lhe falou a respeito, etc. Você precisa ter o conhecimento, o domínio e saber interpretar os resultados e conhecer também as variações daquela dinâmica.

O estudo das dinâmicas compreende a leitura de livros especializados, a observação de outros aplicadores, a experimentação, a avaliação, a criatividade, o reconhecimento concreto de sucessos e de fracassos e a disposição de sempre tentar de novo.

Muito ainda se teria a refletir sobre dinâmicas, porém espero que tenhamos aqui um ponto de partida para despertar o seu interesse pelo assunto.
Airton Soares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *