Falar em Público? Eu?

 

4

O princípio do sucesso na oratória é dominar o assunto e entender que se você está ali pra falar é porque, possivelmente, é a pessoa mais indicada

Muitas pessoas têm medo de falar em público – o que, na verdade, não passa de mais entre tantas formas se comunicar. Mais abaixo, darei algumas dicas, mas – antes de qualquer coisa – é importante deixar alguns pontos bem claros. Primeiro: o princípio do sucesso na oratória é dominar o assunto e entender que se você está ali pra falar é porque, possivelmente, é a pessoa mais indicada. Segundo: depois que você tem a prática, o número de pessoas, na verdade, é irrelevante, pois a sua apresentação será a mesma. Terceiro: se você domina o assunto, não há porque hesitar ao explanar suas ideias. Pronto, podemos começar.

Antes de iniciar um debate, uma reunião ou algo que envolva disputa de ideias ou planos, o essencial nunca muda: domine o assunto. Essa premissa vale para todas as situações em que precisar falar para um grupo de pessoas, seja ele pequeno ou grande. É fundamental conhecer muito bem o assunto que será tratado, assim como diferentes pontos de vista, prós e contras, opiniões e, claro, deixar as respostas (que serão utilizadas somente se necessário) afiadas.

Conheça seu público

Quando for a um evento no qual você precisará discursar, chegue alguns minutos antes para conversar com o público. Isso determinará a linguagem e a forma de abordagem a ser utilizada. Um exemplo pessoal: sempre palestro sobre “desenvolvimento de carreira” para executivos e estudantes. Ambos os públicos têm muito interesse no tema, mas a linguagem a ser empregada deve ser bem diferente. Caso contrário, nenhum deles terá interesse no que tenho a dizer (por mais que o assunto seja de interesse geral). Isso vale para expressões, vocabulário e postura. E lembre-se: cada público tem uma maneira de falar e se comportar. Basta observar.

Não confie na sua memória

Mais uma coisa, em discussões longas e com muitos assuntos, é normal que a pessoa esqueça detalhes do que tem a dizer, por mais que seja algo de extrema importância. Por isso, nunca confie na sua memória. Sim, ela falha. E resolver esse problema é mais simples do que se imagina. Em reuniões, por exemplo, basta anotar os dados relevantes em uma sequência lógica. Pode ser em um caderno ou um documento que você imprimiu. Já em uma palestra ou apresentação para um grande número de pessoas, ulguns slides bastam. Elas devem ser bem montados, amarrados, sucintos e sem muitos elementos gráficos, que poluem o visual. Assim, você não se perderá e, de quebra, seus interlocutores conseguirão acompanhar de maneira auditiva e visual o conteúdo – aumentando sua cognição e retenção do conteúdo passado.

O ser humano é disperso

Outro ponto importante é a concentração. Por isso, a comunicação direta é sempre a mais eficaz. Mas, se o conteúdo demanda muito tempo, intercale conteúdo com brincadeiras ou histórias. Esses momentos de descontração relaxam os espectadores à mesma medida que prepara e motiva para receber mais conteúdo.

Se você treme, sua ou morre de vergonha quando precisa se expor, mantenha a calma. Respirar fundo antes de falar e segurar algum objeto durante a apresentação (para descarregar sua tensão) ajuda muito nessas horas. Depois que o corpo se acostuma e você consegue relaxar, o assunto sai naturalmente. Aí você não esquecerá mais os detalhes e verá que o “dragão de sete cabeças”, na verdade, não passava de um pequeno lagarto. Bom discurso.                  Blog Vida Executiva – Bernt Entschev

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *