Jogo de Cintura

Quando afinal, tudo estava certo, no lugar exato, se encaixando, tudo mudou. Outra vez.

A história era bem aquela, as coisas não eram bem assim, o caminho não é mais aquele, a pessoa não era tão legal, o namoro acabou, o casamento gorou, o emprego dançou. De repente, o susto de novo, a falta de chão. Tudo que era deixa de ser. Muda o panorama, o horizonte, a perspectiva, a vida. Canseira, preguiça, raiva.

Quando chegará a minha vez? Nunca. Pelo menos não desse jeito que a gente fantasia “a nossa vez”. Não existe um momento estático em que tudo fica em um determinado jeito ruim, nem um determinado jeito bom. O bom e o ruim passam. Só há uma coisa segura, certa e imutável na vida: nada é segura, certo e imutável.

Por isso, não adianta ficar esperando a vez chegar. A vez já chegou, está sendo agora, o melhor a fazer é aproveitar a mudança para ver, refletir, mudar o ponto de observação, considerar o mundo sob uma outra ótica, outra lógica, outros meios de conhecimento.

Não adianta olhar pra trás e curtir aquela dorzinha funda, por trás da mudança: infelicidade de agora lembrando da felicidade de ontem.

Mais construtivo é viver com a mudança. Algumas reflexões que passam pela minha cabeça quando me vejo na situação de enfrentar a mudança.

Não é bom controlar o mundo lá fora, segurar, prender, forçar para que as coisas se encaixem em um jogo de quebra-cabeça criado pela nossa imaginação.

Controlar o de fora é impossível. Quebra! O negócio não é esperar que o mundo se adapte a nós. Nós temos que mudar para estar em harmonia com a nova situação lá fora.

Ter flexibilidade. Jogo de cintura. Ser leve. Retirar peso. Flutuar como pluma, dançar com o vento, sem resistência, sem oposição.

Pensar que a mudança por pior que seja, sempre traz com ela um certo alívio.

Passado um período difícil de transição, cheio de incerteza e confusão, vem o prazer da descoberta do novo, o novo lugar, o novo ambiente, a nova alegria e a esperança da reconstrução.

O movimento cai, levanta, constrói; cai, levanta, constrói, de novo, e de novo enrijece o músculo, aumenta a elasticidade, a força, o jogo de cintura, a capacidade de viver melhor a vida.

Sobretudo não ter medo de perder. Com medo de perder, não se arrisca. Com medo de morrer não se vive.

Lembrar que na praia, cada onda que cresce e se desenvolve deve a sua beleza ao desmanchar da onda que a procedeu. E considerar as perdas como batalhas, não como a grande guerra.

Enfrentar o momento da partida, mesmo quando não se tem um lugar certo para ir. Abrir para o desconhecido, deixar o desconhecido entrar e atrapalhar.

Olhar a mudança como o natural, e não a exceção. A surpresa, a coisa ruim. Viver é um processo. Mudança é vida. Só não muda quem está morto. E nós estamos vivinhos da Silva.

 

 

Imagem 225

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *