Liderança

A liderança é necessária em todos os tipos de organização humana, principalmente nas empresas e em cada um de seus departamentos.  Ela é  igualmente  essencial  em  todas as demais funções da Administração: o administrador precisa conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas, isto é, liderar.

“ Liderança é a influência interpessoal exercida numa situação e dirigida  pôr  meio do  processo  da  comunicação  humana  à  consecução  de  um  ou  de  diversos objetivos específicos”. A liderança é encarada como um fenômeno social e que ocorre exclusivamente em grupos sociais.  A  liderança  deve  ser  considerada  em função dos relacionamentos que existem  entre  as  pessoas  em  uma  determinada  estrutura  social, e não pelo exame de uma série  de traços individuais.

Há extinção entre o conceito de liderança como uma qualidade pessoal ( combinação especial  de  características  pessoais  que  fazem  de  um  indivíduo um líder) e de liderança como função ( decorrente da distribuição da autoridade de tomar decisões dentro de uma empresa): “o grau em que um indivíduo demonstra qualidade de liderança depende não somente de suas próprias características, mas também das características da situações na qual se encontra. O comportamento de liderança (que envolve funções como planejar, dar informações, avaliar, arbitrar, controlar, recompensar, estimular, punir etc.) deve ajudar o grupo a atingir os seus objetivos, ou, em outras palavras, a satisfazer suas necessidades. Assim, o indivíduo que possa dar maior assistência e orientação ao grupo (escolher ou ajudar o grupo a escolher as melhores soluções para seus problemas) para que atinja um estado satisfatório, tem  maiores possibilidades de ser considerado seu líder. A liderança é, pois, uma questão de redução de incerteza do grupo. O comportamento pelo qual se consegue essa redução é a escolha.  A liderança é um processo contínuo de escolha que permite à empresa caminhar em direção à sua meta, apesar de todas as perturbações internas e externas.”  Assim  a  liderança  é   uma questão  de tomada de decisão do grupo.

Dentro de uma concepção, a relação entre líder e liderados repousa em três  generalizações:

a) “A vida,  para  cada  indivíduo, pode ser vista como uma contínua luta para satisfazer necessidades, aliviar e manter equilíbrio.

b) A maior parte das necessidades individuais, em nossa cultura, é satisfeita  pôr  meio   de relações com outros indivíduos ou com grupos de indivíduos.

c) Para qualquer indivíduo, o processo de usar as relações com outros indivíduos é um processo ativo – e não passivo –  de  satisfazer necessidades. Em outros termos o indivíduo  não espera  passivamente  que  a  relação capaz de proporcionar-lhe os meios de satisfazer  uma necessidade ocorra naturalmente, mas ele próprio procura os relacionamentos adequados para tanto ou utiliza aqueles relacionamentos que já existem com o propósito de satisfazer suas necessidades pessoais”.

Dentro dessa concepção,“a liderança é uma função das necessidades existentes numa determinada situação e consiste numa relação entre um indivíduo e um grupo”. Nestes termos o conceito de liderança repousa numa relação funcional.  Essa  relação  funcional     somente existe quando um líder é percebido pôr um grupo como o possuidor ou controlador de meios para  a  satisfação  de  suas necessidades.  Assim,  segui-lo  pode constituir para o grupo um meio para aumentar a satisfação de suas necessidades ou de evitar sua diminuição.  O    líder surge como um meio para a consecução dos objetivos desejados pôr um grupo. E o grupo pode selecionar, eleger, aceitar espontaneamente um indivíduo como líder, porque ele possui e controla os meios (como habilidade pessoal, conhecimento, dinheiro, relacionamentos, propriedade etc.) que o grupo deseja utilizar para atingir seus objetivos, ou seja, para obter  um aumento de satisfação de suas necessidades.

Se a liderança é uma influência interpessoal, convém explicitar o que significa influência. A influência é uma força psicológica, “uma transação interpessoal na qual uma pessoa age de modo a modificar o comportamento de uma outra, de algum modo intencional”. Geralmente, a influência envolve conceitos como poder e autoridade, abrangendo todas as maneiras pelas quais introduzem mudanças no comportamento de pessoas ou de grupos de pessoas.

Teorias Sobre Estilos De Liderança

São as teorias que estudam a liderança em termos de estilo de comportamento do líder em relação aos seus subordinados, isto é, maneiras pelas quais o  líder  orienta  sua conduta, o seu estilo de comportamento de liderar.

A principal teoria que explica a liderança pôr  meio de estilos de comportamento, sem se preocupar com características de personalidade é a que  se  refere a três estilos de liderança: autoritária, liberal e democrática. O quadro a seguir dá uma idéia das principais características de cada um desses estilos de liderança.

Autocrática

Apenas o líder fixa as diretrizes,  sem   qualquer participação do grupo.

O  líder  determina    as providências  e  as  técnicas para a execução  das tarefas, cada uma pôr vez, na  medida em que se tornam  necessárias e de modo imprevisível para o grupo.

O  líder  determina qual a tarefa   que  cada   um    deve executar    e    qual   o      seu companheiro de trabalho.

O líder é dominador e é “pessoal” nos elogios e nas

críticas ao trabalho de cada membro.

Democrática

As     diretrizes        são debatidas    pelo         grupo, estimulado  e  assistido pelo líder.

O próprio grupo esboça as providências  e  as    técnicas para      atingir      o alvo, solicitando    aconselhamento técnico    ao    líder    quando necessário,    passando este a sugerir      duas     ou      mais alternativas     para   o   grupo escolher. As   tarefas  ganham nova    perspectivas   com  os debates.

A  divisão das tarefas fica a critério do próprio grupo e cada      membro              tem liberdade      de        escolher        os      seus  companheiros   de trabalho.

O    líder   procura ser um membro normal do grupo, em espiríto,     sem encarregar-se muito de tarefas.  O líder   é “objetivo”  e   limita-se    aos “fatos”  em   suas   críticas   e elogios.

Liberal(Laissez-Faire)

Há  liberdade     completa para  as   decisões grupais ou individuais, com participação mínima do líder.

A participação do líder no debate   apenas        materiais variados    ao               grupo, esclarecendo   que      poderia fornecer    informações desde que as pedissem.

Tanto a   divisão     das tarefas,     como a escolha dos companheiros, fica totalmente a  cargo  do  grupo.  Absoluta falta de participação do líder.

O  líder  não  faz  nenhuma tentativa  de  avaliar  ou     de regular   o   curso   dos acontecimentos.   O  líder somente  faz   comentários irregulares    sobre as atividades  dos  membros quando    perguntado.

White e Lippitt fizeram um estudo em 1939 para verificar o impacto causado pôr esses  três  diferentes  estilos  de  liderança  em  meninos  de dez anos, orientados para a execução de tarefas. Os meninos foram divididos em quatro grupos e, de seis semanas, a direção  de  cada  grupo  era  desenvolvida  pôr  líderes   que   utilizavam    três    estilos  diferentes: a liderança autocrática, a liderança liberal (laissez-faire) e a liderança democrática.

Os resultados dessa experiência tiveram uma entusiástica repercussão nos Estados Unidos, pois os meninos se comportam da seguinte forma aos diferentes tipos de liderança a que foram submetidos:

Liderança Autocrática: O comportamento dos grupos mostrou forte tensão, frustação e, sobretudo, agressividade, de um lado, e, de outro, nenhuma espontaneidade nem  iniciativa, nem formação de grupos de amizade. Embora aparentemente gostassem das tarefas, não demonstraram  satisfação  com  relação  à  situação.  O  trabalho  somente  se desenvolvia  com  a  presença  física  do  líder.  Quando  este  se  ausentava,  as atividades paravam e os grupos expandiam seus sentimentos reprimidos, chegando a explosões de indisciplina e de agressividade.

Liderança Liberal: Embora a atividade dos grupos fosse intensa, a produção foi simplesmente medíocre. As tarefas se desenvolviam ao acaso, com muitas oscilações perdendo-se muito tempo com discussões mais voltadas para motivos pessoais do que relacionadas com o trabalho em si. Notou-se  forte  individualismo  agressivo  e  pouco respeito com relação ao líder.

Liderança Democrática:  Houve  formação  de  grupos  de  amizade  e  de relacionamentos cordiais entre os meninos. Líder  e  subordinados  passaram  a  desenvolver comunicações espontâneas, francas e cordiais. O trabalho mostrou um itmo suave e seguro sem lterações  mesmo  quando  o  líder  se  ausentava. Houve um nítido sentido de responsabilidade e comprometimento pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *