Manual do Gerente Incompetente

Two businessmen shaking hands

Cansado de livros, cursos e artigos que lhe dizem o que fazer? O que eles sabem? Ninguém conhece as dificuldades do seu dia-a-dia. Ninguém entende as pressões pelas quais você passa. São somente críticas atrás de críticas, pesquisas de clima e avaliações injustas. Afinal, você é o gerente! Não precisa disso! Bem que você gostaria de ver o que fariam no seu lugar, estes que querem lhe dizer o que fazer! Afinal, você é o gerente!

Eu o entendo perfeitamente e o que eu vou lhe dizer, você não vai encontrar em nenhum outro lugar.

  1. Mantenha uma equipe fraca: quanto mais fraca, incompetente e inexperiente sua equipe for, melhor. Primeiro porque, assim, você não terá que se preocupar se há alguém no grupo capaz de assumir o seu lugar. E, em segundo lugar, lembre-se que, quanto mais fracos os profissionais, mais simples e básicas são suas críticas, o que facilita muito o processo de liderança destas pessoas. Portanto, se for contratar alguém mais experiente, ou com vasta bagagem acadêmica, certifique-se de que ele seja mais incompetente que você. Isso sempre garantirá sua posição e lembre-se: quanto mais preparado o profissional é, mais exigente ele será.
  2. Pró-atividade é para quem não tem o que fazer: Não se planeje, não seja pró-ativo! Se você se deparar com uma contingência (um pedido grande de um cliente, ou qualquer coisa do gênero) improvise! Passe por cima de normas e regras internas. Atropele em nome do faturamento que talvez você consiga com este trabalho (obviamente se você tivesse lido nos jornais que o cliente ganhou um grande contrato, você poderia ter previsto o ocorrido e se organizado para isso, mas você tem mais o que fazer do que se manter atualizado, é claro!).
  3. Afogue-se em operação: Se você estiver o tempo todo fazendo tarefas operacionais, criará a imagem do executivo super-ocupado e, conseqüentemente, sem tempo para bobagens, como gestão de equipe (avaliação, treinamento), atualização profissional, planejamento etc. Assim, não perca mais tempo! Espalhe muitos papéis em sua mesa, demore pelo menos um dia para responder os e-mails, e faça trabalhos operacionais que envolvam cálculos básicos, digitação etc.
  4. Não se atualize. Fez uma graduação há 20 anos? Uma Pós-Graduação há 15 anos? Ótimo! Já fez demais! E, se alguém trouxer algo novo, diga que é ótimo, mas que “infelizmente” nesta empresa não daria para utilizar.
  5. Mantenha as informações consigo: Não compartilhe informações. Se só você tiver as informações, você sempre será necessário. Então, chega dessa bobagem de compartilhar tudo! Torne-se indispensável e insubstituível! Retenha informações!
  6. Foco na política: Para que se preocupar com resultados? Mantenha-se sempre bem com todos, relacionando-se com facilidade, e até com popularidade que suas pequenas falhas serão relevadas. Afinal, você se dá tão bem com todos!
  7. Esquive-se da culpa, SEMPRE! (Atenção, pois, este passo é fundamental para qualquer gerente!): Culpe os subordinados incompetentes (mesmo que tenha sido você quem os contratou e treinou). Culpe o RH pela falta de funcionários ou pela falta de conhecimento e preparo dos subordinados. Culpe T.I. pelo sistema e equipamentos ruins, defasagem tecnológica, ou qualquer coisa do gênero. Culpe Recursos Materiais, pela falta de infra-estrutura. Culpe a Diretoria, porque não lhe dá autonomia ou porque lhe dá autonomia demais e não lhe dá apoio. Culpe o fornecedor descomprometido (ainda que tenha sido você quem o escolheu). Enfim, culpe qualquer um, mas NUNCA, NUNCA assuma a culpa.
  8. Para dar um feedback negativo: Nunca diga ao outro que você acha que o que ele fez não está bom. Diga que alguma outra área, pessoa, organização etc. constatou a falha, e está cobrando de você uma atitude para com o outro. Assim, você será apenas o mensageiro e não precisará se desgastar num feedback negativo. Essa ação também é muito eficaz para que você sempre se saia bem nas avaliações de desempenho dos subordinados e pesquisas de clima. Afinal, você também não quer ter um feedback negativo, não é mesmo?
  9. E se um funcionário se queixar…: Diga que você até concorda com ele, mas que não pode fazer nada, pois isto está além da sua alçada.
  10. Diga: “Não sabia”: E, por fim, haja o que houver, se a coisa sair ao controle diga as duas palavras mágicas “não sabia“. Se insistirem, diga que não recebeu o comunicado, o e-mail, ou qualquer outro veículo de comunicação que sua empresa tiver, e, portanto, você não foi informado e “Não sabia…”. Observe como rapidamente você sairá da posição de réu e estará na posição de vítima.

Garanto que, seguindo estas dez sugestões, você (infelizmente) terá seu emprego garantido em algumas empresas que tem por aí… ou não! Boa sorte! Flávia Garbo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *