Não Aceite Qualquer Companhia Por Medo De Ficar Só

dns04

Todos necessitamos de um companheiro para partilhar tudo o que temos dentro de nós e transborda, para receber em troca verdades que venham ao encontro de nossos sonhos e desejos. Sempre foi assim e assim o será, não se foge a isso. No entanto, a ânsia por encontrar esse amor jamais poderá ser maior do que o nosso amor-próprio, do que as convicções que nos constituem e constituem nossa humanidade, nosso respirar.
Crescemos embalados pelos contos de fadas, por filmes e romances que idealizam um mundo onde os romances idílicos permeiam todo e qualquer enredo, passando-nos a mensagem de que necessitaremos encontrar o amor de nossas vidas, caso queiramos ser felizes para sempre. Não que essa procura seja inútil, mas tornar a presença de um companheiro como condição imprescindível à nossa felicidade pode acabar nos levando ao distanciamento do que nos preenche a essência, para que aceitemos menos do que merecemos ao nosso lado.

Todos queremos encontrar nossa cara-metade, alguém que esteja ao nosso lado, de braços abertos, ao final do dia, ajudando-nos a recobrarmos as forças para os amanheceres vindouros. Todos necessitamos de um companheiro para partilhar tudo o que temos dentro de nós e transborda, para receber em troca verdades que venham ao encontro de nossos sonhos e desejos. Sempre foi assim e assim o será, não se foge a isso.

No entanto, a ânsia por encontrar esse amor jamais poderá ser maior do que o nosso amor-próprio, do que as convicções que nos constituem e constituem nossa humanidade, nosso respirar. Lançarmo-nos ao encontro de uma união desigual, sem contrapartida, sem retorno de toques ou de sentimentos, desconstruirá as bases que sustentam as verdades que nos consolidam o caminhar seguro e tranqüilo. Aceitarmos que a escuridão alheia ofusque-nos o brilho que temos e ansiamos por irradiar nos afastará de qualquer possibilidade de sermos felizes.

Antes de tudo, é necessário que solidifiquemos os propósitos que alimentam as nossas esperanças, para que não nos sujeitemos a abrir mão do nosso viver, em favor de uma companhia aviltante, mesquinha, indigna de nossa grandeza. Precisamos nos amar, praticar o bem-me-quero, fortalecendo nossas certezas contra os quereres alheios que não nos somam, não nos agregam, não nos amam verdadeiramente.

Estar sozinho muitas vezes não significa solidão, tampouco tristeza ou incompletude. Podemos muito bem nos sentir felizes e realizados na companhia de ninguém mais do que nós mesmos. Amadurecer nossos sentimentos enquanto caminhamos desacompanhados nos fortalecerá, trazendo-nos a segurança necessária para que deixemos a pessoa certa entrar em nossas vidas. Caso não estejamos lúcidos e seguros o bastante, estaremos sujeitos a dar as mãos ao vazio, à violência e ao egoísmo alheios. Caso não estejamos vivendo em sintonia com o que nossa alma pede, qualquer um será capaz de adentrar nocivamente nossas fraquezas, destituindo-nos da regência de nossas próprias vidas.

A busca por uma companhia de vida estará sempre presente em nossos planos, fazendo parte dos sonhos que impulsionam nossa jornada. Porém, priorizarmos os relacionamentos, em detrimento de nosso bem estar e de nossa dignidade, somente nos trará dor e decepção. Aproveitemos os tempos em que estamos desacompanhados para firmar em nós tudo aquilo que queremos e não queremos em nossas vidas. Somente assim saberemos aproveitar cada momento que integra a nossa caminhada, seja com ou sem alguém do nosso lado. Porque, assim, estaremos felizes e completos, ainda que sós, mas jamais mal acompanhados. Rosana Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *