O Barco do Avô

Marisa vivia com a mãe e o avô numa casinha com vista para o mar.

O avô era pescador e navegava no seu barquinho, que tinha uma vela castanha, pelas águas do porto.

Umas vezes, o avô pescava perto da costa e Marisa gostava de ver o barquinho serpentear por entre as rochas e as enseadas da baía. Noutras, partia ao cair da noite e então Marisa ficava a ver o barco embrenhar-se no vermelho dourado do crepúsculo. A seguir ia para a cama, satisfeita por saber que, quando o Sol despertasse por detrás dos montes, veria a vela castanha regressar à luz tênue da aurora.

Quando isso acontecia, Marisa e a mãe desciam para se despedirem dele com grandes acenos, e o barco, levado pelo movimento da maré, mergulhava na neblina do horizonte, parecendo afundar-se naquela imensidão de onde apenas emergia a ponta do seu mastro.

Depois, quando o próprio mastro desaparecia, Maria e a mãe ficavam completamente sós.

— Ele vai voltar — prometia-lhe sempre a mãe. Por vezes, Marisa até sabia em que maré ele iria regressar, e nessas alturas corria para o monte que ficava por detrás da casa e não tirava os olhos do mar até a ponta do mastro surgir no horizonte.

— Vem aí o vovô, vem aí o vovô! — gritava entusiasmada.

Então, ela e a mãe corriam para acenarem para o barco cuja vela castanha se agitava cada vez mais perto até que, por fim, tornavam a ver a cara sorridente do avô.

Também havia alturas em que os dias passavam sem ele voltar, o que deixava a mãe de Marisa muito preocupada:

— Estamos na época das tempestades — explicava então Marisa — e o vovô pode ainda demorar sabe-se lá quanto tempo.

No entanto, continuava à espera de o ver regressar.

— Se a viagem foi perigosa, o vovô ainda estará mais ansioso por nos ver — dizia.

Marisa aprendeu a reconhecer quando a maré estava alta, pois era a altura mais propícia para o barco entrar no porto. Era então que ia à procura dele.

Chegava a passar uma semana à espera ou mesmo duas… mas sempre via o avô voltar.

— Às vezes desejo que o vovô não saia para o mar para não nos deixar sozinhas — disse-lhe Marisa após uma viagem que tinha durado vários dias.

— Vou fazer-te a vontade — suspirou o velho. — Já não sou tão forte como era dantes e por isso não me atrevo a ir para tão longe como costumava. A partir de agora não me afastarei muito… ando de cá para lá e de lá para cá durante o dia, enquanto a maré me ajudar.

De início, Marisa ficou satisfeita porque assim tinha mais tempo para estar com o avô. Porém, começou a reparar que, de dia para dia, ele estava cada vez mais frágil e debilitado, e quase já não saía de casa.

— O vovô já não vai para o mar? — perguntou Marisa ansiosamente.

— O único barco em que eu agora irei navegar é o que me levará para o outro mundo — respondeu o avô sorrindo.

Marisa suplicou-lhe:

— Não vá! Nunca vá para lá! — disse-lhe chorando.

— Essa é a viagem para que eu sempre vivi — retorquiu-lhe serenamente o avô. — Explorei tudo o que me apeteceu neste mundo e agora anseio por descobrir o outro.

Pouco tempo depois o avô de Marisa morreu. O sino da igreja da vila repicou solenemente quando o enterraram no cemitério que dava para o mar.

— Adeus, vovô — sussurrou Marisa à terra escura.

A seguir correu sozinha para a ponta do molhe.

— Adeus, vovô — gritou à maré que baixava rapidamente. — Adeus, adeus.

As águas foram-se afastando da costa e ela permaneceu à espera, tanto tempo quanto o barco do avô costumava levar até desaparecer no horizonte longínquo. Entretanto, chegou a mãe que se sentou a seu lado.

— Já não o podemos ver — disse tristemente a mãe. — Mas creio que numa costa distante, numa outra terra, haverá alguém que o verá chegar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *