O Desafio Da Montanha

toc1

Numa cidade havia uma montanha bastante íngreme e pedregosa, jamais escalada. Três amigos decidiram fazer a sua subida e, para isto, prepararam-se durante alguns dias. Muniram-se de todo o equipamento necessário, como cordas, alimentos e materiais de primeiros socorros. No dia estabelecido, iniciaram a aventura, que seria observada por várias pessoas.

Um deles, o mais jovem, iniciou a subida fazendo grande alarde, concedendo entrevistas e se declarando, por antecipação, como o mais preparado para atingir o objetivo. Partiu eufórico e venceu os primeiros obstáculos com relativa facilidade. Prosseguiu na escalada e, quando já atingia uma determinada altura, em torno de 10% do desafio a percorrer, parou para descansar. Já sentia forte cansaço e em seu corpo já se percebiam as marcas de alguns ferimentos, resultantes do contato com a vegetação nativa e espinhosa que encobria a montanha.

Do ponto em que se encontrava, olhou para o alto… e sentiu um frio percorrer-lhe a espinha. Estava ainda muito distante do ponto de chegada. Teve medo. O desafio era maior do que suas forças. A distância que faltava percorrer era gigantesca. Desistiu. Acabrunhado, retornou ao ponto de partida, deixando no exato ponto onde parou uma placa com os dizeres: “E difícil!”

O outro, igualmente jovem, porém mais determinado, foi muito mais além. Enfrentou barreiras e espinhos, expôs-se ao vento que era mais forte, feriu pés e mãos, despendeu grandes esforços e atingiu a metade do monte. Só aí parou para descansar. Estava esgotado e bastante maltratado.

Olhou para baixo… e sentiu calafrios. Era aterrorizador olhar para baixo e ver a altura em que se encontrava. Entristeceu. Já fizera todo aquele esforço e ainda não lograra o êxito desejado. Qualquer deslize ali poderia ser fatal. Sentiu medo. O desafio era maior do que suas forças. Desistiu. Acabrunhado, retornou ao ponto de partida, deixando no exato ponto onde parou, uma placa com os dizeres: “É difícil acreditar que cheguei aqui.”

O terceiro deles, mais amadurecido e reservado, nada disse nem prometeu. Iniciou sua caminhada de forma obstinada e segura. Atravessou barreiras e espinhos; superou desafios e dificuldades; expôs-se a situações desconfortáveis e dolorosas; experimentou ferimentos nos O pés e nas mãos, mas prosseguiu em seu intento. Acreditava que poderia chegar.

Não olhou para cima, nem olhou para baixo. Apenas prosseguiu. De forma determinada e gradual, foi alcançando, passo a passo, seu objetivo. Via apenas uma coisa: o objetivo traçado.

Estava com a mente colocada bem adiante, no lugar da chegada. E, com este ânimo, foi superando os obstáculos que surgiam, sem se deixar abater por eles.

Após muito esforço e determinação, chegou ao topo da montanha. O desafio estava vencido. Lá em cima, radiante com a conquista realizada, escreveu: “É difícil acreditar que cheguei aqui, porém, mais difícil foi acreditar que poderia chegar.”

2 Responses to O Desafio Da Montanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *