O Porquê Das Dinâmicas

No brinquedo, a criança opera com significados desligados dos objetos e ações aos quais estão habitualmente vinculados; entretanto, uma contradição muito interessante surge, uma vez que, no brinquedo, ela inclui, também, ações reais e objetos reais. Isto caracteriza a natureza de transição da atividade do brinquedo: é um estágio entre as restrições puramente situacionais da primeira infância e o pensamento adulto, que pode ser totalmente desvinculado de situações reais.

A criação de uma situação imaginaria não é algo fortuito na vida da criança em relação as restrições situacionais. O efeito que os brinquedos têm sobre as crianças em seu processo formativo é o mesmo nos adultos, diferenciando o grau de consciência de um adulto e de uma criança.

O uso de din. Nos processos alternativos de educação em grupo visa proporcionar momentos educativos que possibilitem ao grupo vivenciar situações inovadoras em todos os níveis. Ao confrontar comportamentos, hábitos, valores e conhecimentos, espera-se que os participantes sejam levados a uma avaliação e relançarão individual evolutiva, podendo assim potencializar o grupo no aprimoramento da subjetividade e no próprio processo de educação e construção do conhecimento e da prática social.

Esta educação que falamos não é neutra. É algo alternativo com conteúdo político de classe. Tem por objetivo contribuir para que as classes populares construam e/ou produzam um conhecimento a partir de um processo que nasce da própria pratica concreta do povo em meio às contradições ligadas às lutas, a partir do dia-a-dia de sua vida, de sua sobrevivência, de sua resistência, de sua mobilização, de sua busca para transformar a vida, a realidade, a historia e as relações sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *