Os Três Jeitos De Dar Errado No Amor

toc1Em geral, prefiro me concentrar no que fazer para dar certo. Só que, ultimamente, andei me dando conta de que sugestões para facilitar, melhorar, ajudar e fortalecer o amor existem centenas. Tanto que tenho falado sobre elas por anos, escrito livros, gravado vídeos e desenvolvido cursos que já ajudaram muitos e muitos casais.

Então, fiquei pensando no que faz o amor dar errado. E percebi que, felizmente, só tem três jeitos de estragar tudo. De ficar sozinho pra sempre. De passar a vida se lamentando pela falta de sorte. Esses jeitos são:

Não tentar. 2- Tentar sem se saber. 3- Desistir.

 

Simples assim. Direto ao ponto. Explico: pra começar, tem uma música do Jorge Vercillo (Monalisa) que revela bem o que significam nossos amores vividos. Não erros, mas pontes, preparação para a chegada:

“(…) Não se prenda a sentimentos antigos. Tudo que se foi vivido me preparou pra você.

Não se ofenda com meus amores de antes. Todos tornaram-se pontes pra que eu chegasse a você (…)”.

Seguindo essa lógica funcional, “não tentar” é desperdiçar aprendizado. É ignorar a vida e suas infinitas possibilidades de ser feliz. Não tentar é se render ao medo de sofrer caindo na armadilha de sofrer sempre sem sequer se arriscar a sentir paixão, alegria e tantas outras sensações maravilhosas a que o amor nos inspira. Não tentar é ser egoísta a ponto de privar o mundo de sua singularidade e, pior do que isso, é privar aquele alguém que tanto tem te procurado de chegar até você.

 

“Tentar sem se saber” é tentar sem escolher. É ficar por carência, por falta de autoestima, por medo da solidão. Tentar com o primeiro que aparecer pela frente, mesmo enquanto sua intuição grita pra você não fazer isso, é não se questionar sobre o que realmente você quer, sobre o quanto você merece, é “atirar para todos os lados”. E isso enfraquece o coração, desgasta a essência, suja você por dentro e te faz acreditar que você não nasceu pra ser feliz no amor.

E “desistir” te coloca no hall dos derrotados. Só perde quem desiste. Acreditar que todo mundo é igual ou que você já tentou muitas vezes e só cometeu erros é não entender nada sobre os lindos versos da música que citei. É arrogância. É achar que você já sabe tudo ou que não aprendeu nada. Basta se olhar. Entrar em contato com toda a sua história. E certamente terá muito o que aprender com todos os amores vividos.

Cada encontro é uma aula. Cada pessoa é um mestre. Cada amor é um presente. Abra as portas e as janelas de sua alma. Olhe para fora, mas mantenha-se dentro, atento e consciente sempre. O amor está no ar, é fato!

Porque de uma coisa você pode ter certeza: se tentar com consciência, autoestima e noção de merecimento. Se não desistir por achar que cada “the end” foi um erro. Se persistir aprendendo e evoluindo. Se enxergar pontes em vez de abismos, mais cedo do que imagina você chegará.

E se dará conta de que cada passo valeu muito a pena, e que você faria tudo de novo se fosse preciso, só pra garantir esse amor de agora que dá sentido a todo o caminho percorrido! Rosana Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *