Palavras Fazem Diferença

Palavras Fazem DiferençaA linguagem da sustentabilidade: por que as palavras fazem diferença.
Seja trabalhando em equipes de gestão interna ou em comunicações mais ampliadas para o público, para criar um mundo que funcione para todos, é necessário mudar a linguagem usada para moldar os pensamentos. A linguagem tem poder real. Ela comunica os conceitos que formam o pensamento e, assim, precisamos ser vigilantes sobre os termos que usamos.
George Lakoff, da University of California at Berkeley, contribuiu com alguns trabalhos brilhantes sobre a conformatação da linguagem. Na definição de Lakoff, “… os enquadramentos são estruturas mentais que moldam a maneira como vemos o mundo… os objetivos que temos, os planos que fazemos, a forma como agimos e que conta como um resultado bom ou ruim de nossas ações… O reframing está mudando a maneira como o público vê o mundo. Está mudando o que conta como o senso comum.”
“… Framing é a obtenção de uma linguagem que se adapta à sua visão de mundo. Não é apenas a língua. A ideia é primária – e a linguagem carrega essas ideias – evoca as ideias”.
Ao aplicar o enquadramento para os problemas com os quais muitos de nós lidamos, os exemplos podem incluir:
1. Mudar a “gestão dos recursos naturais” para a regeneração da natureza “ou” resistência natural “. “Gestão” reforça uma falsa sensação de que sabemos exatamente o que fazer e como a natureza vai responder às nossas ações. Claramente há uma riqueza de conhecimentos sobre o trabalho com processos naturais, e as ações, muitas vezes, são consequências não intencionais, devido à complexidade dos sistemas naturais. “Recurso” transmite a noção de que a natureza é algo para ser usado.
Como termos alternativos, mesmo “restauração”, uma melhoria recente, não é conceitualmente apoiar o processo dinâmico e permanente que é a ecologia, mas, sim, restaurar a um estado estático. Termos como regeneração e resistência ilustram melhor o objetivo de restabelecer a capacidade de adaptação, flexibilidade e processos em curso que pode evoluir ao longo do tempo.
2. Alterar “gestão adequada” para “interação adequada” ou “relacionamento saudável”, pelo mesmo motivo explanado acima. Nossa relação com a natureza é dinâmica, de duas vias e, por isso, não devemos passar a ideia de que estamos gerindo-a ou comissionando-a.
3. Fornecer um contexto para “sustentabilidade” significa a habilidade de continuar no futuro indefinido, respeitando os ecossistemas e limites da Terra e oferecendo espaço para que os outros seres do planeta possam existir. Caso contrário, podemos criar conceitos perversos, como o crescimento sustentável.
4. Alterar qualquer linguagem que implique crescimento econômico é sempre bom. Em uma economia com base em usos insustentáveis da natureza, a contração econômica e a recessão são necessariamente ruins? Ou a recessão é uma correção necessária, guiada pelas leis do feedback? Durante a recessão relativamente grave de 2008 e 2009 essas questões nunca entraram na mídia ou na política de uma forma significativa, no entanto, são as verdadeiras questões que nós, como sociedade, precisamos trabalhar completamente.
É comum a sociedade se perder em termos que perderam seu significado e só dificultam a conversa franca entre as pessoas inteligentes. Socialismo, comunismo, grande governo, mercado-livre, conservadores, liberais – todos esses termos são apenas rótulos. Ao invés de marcar uma determinada ação em uma ou outra dessas condições, é necessário olhar para o real social, ambiental e os efeitos financeiros e os impactos de determinada ação ou política. O uso destes termos tem implicações muito reais para a nossa comunicação e como ela é percebida.
5. Indicadores
Os indicadores são semelhante à linguagem em sua capacidade de transmitir conceitos. Um indicador significa simplesmente uma medida ou guia que indica o estado de alguma coisa – há os econômicos, ambientais, aqueles que medem o progresso social, a saúde e outras qualidades.
Entretanto, é preciso ter muito cuidado com os indicadores utilizados para medir o progresso e as ações de orientação e direção às metas. A escolha do indicador significa acreditar nele, que ele é um identificador preciso para o progresso ou a saúde. Os indicadores inadequados levam a ações impróprias. Caso seu objetivo seja restaurar um rio, por exemplo, um indicador que pode ser utilizado é o número de peixes que existem nele. Uma ação possível para tentar melhorar o indicador de estoque é apenas ampliar o número de peixes do rio. Isso não significa que você restaurou suas águas e trouxe saúde aquática. Escolhendo um indicador como os níveis de poluição encontrados nos peixes, contudo, seria possível impulsionar uma ação completamente diferente – recuperar as zonas ribeirinhas, a instalação de controles de poluição da água, etc. – e obter resultados drasticamente diferentes.
Os esforços para promover uma mentalidade que reconheça os direitos de espécies em nosso meio de indicadores incluem:
• Repensar os indicadores econômicos. Além do contexto, é a maneira como os indicadores são medidos e a sustentabilidade da economia global que está sendo avaliada que definem se as mudanças no PIB, desemprego, novas moradias e outros indicadores econômicos são boas ou ruins. As pessoas podem estar desempregadas e mesmo assim participar alegremente de atividades que melhorem sua situação pessoal e qualidade de vida da comunidade. Elas podem ter diversos empregos de meio período e não serem contadas como empregadas, devido à forma como os dados são relatados. E o PIB pode aumentar devido a uma atividade econômica ou negócio muito destrutivos.
• Como primeira ação sobre os indicadores econômicos, substituir o PIB por um novo indicador econômico que respeite os direitos de todas as espécies. O PIB simplesmente mede a atividade econômica – e tanto uma empresa que gere um milhão de dólares a partir de sistemas de regeneração do habitat quanto outra que gere um milhão de dólares a partir da destruição do ecossistema geram ações valiosas. Tentar contabilizar de maneira melhor as atividades humanas e criar indicadores em que o mais elevado seja realmente melhor, já é uma prática há muitos anos. Estes incluem o GPI (Genuine Progress Indicator) e a Pegada Ecologica.
• Indicadores Ambientais. Voltando ao exemplo de restauração de um rio, cuide para que a escolha de indicadores para monitorar seu progresso em direção a um objetivo reflitam verdadeiramente a saúde dos ecossistemas, e não sejam apenas indicadores escolhidos porque são fáceis de avaliar.
Gil Friend identificou três principais indicadores de desempenho para o negócio para empresas:
1. Retorno dos recursos (ROR) vs. Retorno de Investimentos, retorno sobre ativos ou outros indicadores de retorno financeiro que não levem devidamente em conta a utilização dos recursos, porque os recursos são sub-valorizados.
2. Relação entre produto e não-produto (P2NP), capturando a eficácia final de um negócio.
3. Pegadas de carbono, capturam a contribuição final de uma atividade para controlar as alterações climáticas.
A adoção desses indicadores como os controladores do negócio traria benefícios dramáticos. Indicadores como esses podem incentivar uma boa mentalidade e nos guiar em direção às metas que precisamos ter como sociedade.
Por Agenda Sustentável         HSM Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *