Perguntas Criativas Na Hora De Contratar

Realizo várias entrevistas a fim de selecionar colaboradores para empresas. Muitas delas, ao me contratarem, espantam-se com algumas questões que elaboro num questionário para que os candidatos respondam.

Afirmo que sou capaz de contratar um indivíduo sem experiência alguma, mas que seja profundo nas respostas que mais me interessam. Também comunico que sou capaz de não contratar indivíduos com um “invejável” currículo se não forem intensas as suas respostas no questionário.

Já não precisamos mais somente de pessoas com grande experiência. Não que a experiência não possa ser positiva. Quase sempre ela o é. Mas há pessoas que laboram em determinada área há anos, porém são crianças nas suas atitudes, meninos quando o assunto é comprometimento com a geração de resultados – dão no trabalho o mínimo que podem.

Selecionar não é uma tarefa fácil. Não há um manual, uma fórmula, uma regra que certifique, por exemplo, que o contratado será bem-sucedido na empresa, que fará o seu melhor enquanto estiver nela.

Além das perguntas clássicas, lanço algumas que fazem os candidatos perscrutarem o mais profundo do seu ser para poder dar respostas. Muitos deles não compreendem o motivo de tais questionamentos, mas procuram responder. Outros, que bebem das contaminadas águas da arrogância e da prepotência, julgam que tais perguntas não são interessantes para o cargo que pretendem ocupar e não as respondem.

Veja algumas perguntas que utilizo para selecionar funcionários. Se parecerem absurdas e sem o menor sentido, é hora de rever sua forma de contratar, pois possivelmente você está contratando devido à grande experiência e demitindo não por falta dela, mas por falta de motivação, entusiasmo, comprometimento, etc:

• Qual foi a última vez que você deu dinheiro na rua para quem lhe pediu? Por que deu ou não deu?

• Quantas vezes, neste ano, você ajudou alguém com cadeira de rodas a subir na calçada ou atravessar a rua?

• Você se emociona ao ver cenas de pessoas carentes, passando por todo tipo de dificuldades? O que faz depois?

• Você pede nota fiscal em todas as suas compras?

• Abraça seus pais, filhos, todos os dias, ou, se eles não estão mais com você, abraçava-os frequentemente?

• Você contribui para alguma obra social (religiosa ou não)? Qual? _____________ Por quê?

• Você acredita em Deus? Por quê? ____________

• O que aprende em sala de aula você tem o hábito de rever em casa, ou está certo de que a escola é que tem de ensinar dentro de quatro paredes?

• Como você tem se preparado para exercer a (s) função (s) em que deseja laborar?

• Qual é o seu maior sonho profissional? E como pretende conquistá-lo? Ou não pretende?

• Pelo que você tem lutado? Por qual motivo se levanta todos os dias?

Como disse, muitos não entendem o sentido das perguntas. Não sou melhor que nenhum entrevistador ou outro profissional que recrute e selecione pessoas para o trabalho. Sou mais um caminhante na estrada da vida pessoal e profissional, que penso que pessoas com alto nível de altruísmo, motivadas e que buscam se preparar continuamente, que têm metas e sonhos e, por menor que sejam, têm noção de como pretendem atingi-los, poderão mais facilmente ser lapidados pela organização em que pretendem laborar.

Ouse, tenha coragem e responda você essas questões!  –  Paulo Sergio Buhrer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *