Pressão E Depressão Em Nome Do Lucro

De acordo com o sociólogo Max Weber, autor de A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, “O impulso para o ganho, a persecução do lucro, do dinheiro, da maior quantidade possível de dinheiro, não tem, em si mesmo, nada a ver com o capitalismo. Tal impulso existe e sempre existiu entre garçons, médicos, cocheiros, artistas, prostitutas, funcionários desonestos, soldados, nobres, cruzados, apostadores, mendigos etc. Pode-se dizer que tem sido comum a toda sorte e condições humanas em todos os tempos e em todos os países da Terra, sempre que se tenha apresentado a possibilidade objetiva para tanto”.
De fato, obter lucro, ganhar a maior quantidade possível de dinheiro, acumular patrimônio, levar vantagem sobre os concorrentes, inimigos, vizinhos ou colegas de trabalho são necessidades e aspirações do ser humano em qualquer lugar do planeta por questões antropológicas muito simples: sobrevivência e segurança. Entretanto, ainda que você consiga acumular uma soma considerável de dinheiro durante os primeiros trinta ou quarenta anos de vida, o apego excessivo ao dinheiro há de lhe tirar o sono durante os próximos cinqüenta se a sua fortuna não tiver sido construída com base em princípios, valores e virtudes universais.
A simples sobrevivência nos custa muito caro. Somos constantemente submetidos ao estresse, à pressão, ao enfrentamento de situações para as quais não estamos preparados. A cobrança é efetiva e surge de todos os lados, dos filhos, do cônjuge, da sociedade. Em último caso, vem da nossa própria consciência, por tudo aquilo que pensamos fazemos errado e tudo que deixamos de fazer correto, se é que existe alguma coisa correta na face da Terra.
Somos criaturas de hábitos, segundo Aristóteles, e à custa de muita pressão acabamos sendo habituados a não resistir, a calar-se diante dos fatos, a imaginar que o mundo é como é porque não existe jeito de mudá-lo e que a vida é uma sucessão de erros e acertos, que só termina quando a nossa própria existência terrena termina.
Karl Marx, o grande sociólogo alemão, considerava o trabalho a mola propulsora do desenvolvimento humano, ou seja, não existe homem sem o trabalho, nem trabalho sem o homem. A eterna preocupação do ser humano com o ato de participar, ora por questão de sobrevivência, ora por questão de realização, faz com que “a maioria dos homens prefira a escravidão na segurança ao risco na independência”, nas palavras de Emmanuel Mouniere, o pai do personalismo.
A pressão no trabalho é praticamente irreversível e atinge todos os escalões da organização. Do porteiro ao presidente, a preocupação é a mesma. O que muda é o saldo na conta bancária e o nível de responsabilidade de cada um, porém, quanto maior o cargo, maior o orgulho, maior a queda. Ser presidente é fácil. Difícil é sustentar a posição no alto da colina sem ser bajulado, alvejado de críticas, invejado e pressionado de todos os lados.
No início das minhas palestras eu sempre faço uma breve pesquisa para saber quantos participantes estão felizes com o que fazem. Nunca comprovei um resultado superior a 50% de satisfação, sinal de que a maioria das pessoas está infeliz e, de alguma forma, pelo menos naquele instante, encontram-se no lugar errado, na empresa errada ou no cargo errado. A tecnologia e o conforto do mundo moderno não foram capazes de eliminar a eterna carência do ser humano nem a pressão cada vez mais assustadora por lucros e mais lucros.
Ganhar dinheiro é bom e necessário, mas o lucro deve representar um mínimo de dignidade. Lamentavelmente, em nome do lucro, a pressão torna-se o instrumento preferido dos líderes, dos acionistas, dos donos em geral como se isso fosse algo normal que qualquer profissional tem a obrigação de aceitar; afinal, quantos milhares dariam a vida para estar ali no lugar dele?
Em pleno Século XXI, o forno de microondas faz sucesso na cozinha e a panela de pressão continua fazendo sucesso nas organizações, principalmente nas sociedades anônimas onde os donos são praticamente desconhecidos e o que conta mesmo é o valor das ações. Como a possibilidade de os acionistas se reunirem para discutir o significado da palavra “dignidade” é mínima, a pressão acaba incorporada naturalmente. Medo, insegurança, necessidade e responsabilidade acima de tudo afetam o moral dos profissionais que aceitam todo tipo de pressão enquanto não conseguem livrar-se das amarras do poder.
Quem não estiver contente pode escolher entre ir embora e mudar de emprego. Em nome do lucro tudo é permitido – pressão, humilhação, desvarios, rompantes, demissões aos montes, assédio moral, altos e baixos do presidente, dos acionistas, dos gerentes despreparados. Além disso, executivos e mais executivos trocados em curtos intervalos de tempo, cada qual com sua política mirabolante, cheios de promessas e formas completamente diferentes de pensar contanto que o resultado apareça e o valor das ações seja sustentado na Bolsa.
Milhares de reais investidos em treinamento não são suficientes para aplacar a voracidade do capital. Ao contrário, são investidos para a multiplicação do capital, portanto, as perspectivas de redução da pressão são pouco animadoras ainda que você mude de chefe, de emprego, de empresa ou de cidade, não importa o cargo nem o salário.
A pressão no mundo dos negócios é inevitável e alguns se arriscam a dizer que isso é bom, só não dizem para quem. Por trás de tanta pressão existe a depressão, aliás, uma é reflexo da outra. A depressão é o mal do século e apesar das recentes tentativas de melhoria do ambiente de trabalho através de treinamento, palestras, ginástica laboral e outros artifícios criados para enfeitiçar os trabalhadores, a realidade é cruel, porém somos impelidos a pensar o contrário. Basta ler uma revista de negócios e a impressão que você tem é a de que todo mundo está bem, menos você.
Segundo Albert Camus, grande filósofo francês, “não existe dignidade no trabalho quando nosso trabalho não é aceito livremente”. Portanto, para evitar que você se torne a próxima vítima da pressão seguida de uma profunda depressão em nome do lucro, algumas atitudes são fundamentais para quebrar a ansiedade e reduzir a pressão imposta sobre seus ombros. Avalie e reflita sobre elas.
1- O mundo corporativo sobrevive sem você; portanto, trabalhe duro, mas não seja refém do trabalho; contribuir e fazer mais do que o normal não significa sujeitar-se à escravidão imposta pelo mercado ou pela incompetência superior;
2- Tenha brio e amor próprio e nunca demonstre fraqueza diante da pressão; seja mais forte do que ela e imagine que é apenas uma condição transitória;
3- Mude de emprego quantas vezes for necessário; apesar de não resolver o problema, uma nova perspectiva se abre quando você se propõe a mudar e acreditar em um ambiente mais digno;
4- Sorria, apesar de tudo. Sorrir descaradamente ameniza a pressão, fortalece o moral e reduz as chances de se tornar um deprimido comum.
Por fim, lembre-se: não há dinheiro no mundo que pague o ar de felicidade da família quando você entra em casa contente, disposto e sorridente depois de mais um dia fatigante. Pense nisso e seja feliz.        Jerônimo Mendes           Fonte: www.rh.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>