Razão e Emoção Bem Dosadas

“Pensamos demasiadamente e sentimos muito pouco. Necessitamos mais de humildade do que máquinas. Mais bondade e ternura do que inteligência. Sem isso a vida se tornará violenta e tudo se perderá.”. (Charles Chaplin)

Quem já não sentiu o conflito angustiante entre o que se QUER fazer e o que se DEVE fazer?

Nosso dia-a-dia, de forma geral, cobra-nos objetividade, racionalidade, controle total de tudo o que acontece ao redor. A postura social deve ser a mais ‘ereta’ e ‘reta’ possível. O coração, sempre que necessário, deve ser mantido controlado. É muito fácil deixar de fazer o que dá prazer para realizar o que é fundamental.

Muitos já conseguiram driblar ou encontrar outros caminhos melhores, então não passam por esse tipo de tensão. Outros indivíduos, entretanto, essa é a típica cobrança diária.

Quando deixamos de vibrar, de experimentar com a alma e passamos somente a contemplar com o pensamento uma realização que tanto queríamos, ficamos perdidos em busca do que realmente queremos. Na tentativa de parecermos “sérios” possivelmente abraçamos uma causa racional, com pouco ou nenhum envolvimento emocional. Talvez, até, abracemos a causa alheia.

Ao entrarmos em contato com nossos sentimentos, percebemos que é possível aprender com cada situação difícil com a qual deparamos. Nelas encontramos mais força e razão para não desistirmos.

Dificilmente conseguiremos enxergar o verdadeiro sentido daquilo que fazemos e amamos, se não formos capazes de ouvir e entender o que o coração nos diz. Mesmo que algum dia todas as posses materiais se acabem, o que for conquistado com o coração deixará suas marcas. São emoções, sentimentos, lembranças, memórias guardadas nessa “HD” tão especial.

– Você costuma dar a devida atenção às suas vontades e necessidades?

– Consegue unir razão e emoção em suas decisões?

– Costuma priorizar pensamento ou sentimento?

– Você é capaz de atender aos seus desejos e sonhos? Quantas oportunidades você já perdeu? E quantas conquistou?

– Com isso é possível concluir que…

Aproveite. A hora é agora.     Izabel Failde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *