Reconhecer É O Primeiro Passo Para Resolver Um Problema

toc 1

Você sabe quantas pessoas aproximadamente vivem em nosso planeta hoje?

Segundo o World Population Clock – WPC, são aproximadamente sete bilhões de pessoas (…).

Isso é bastante gente, não acha?

E você sabe me dizer quantas destas pessoas não têm nenhum tipo de problema em sua vida?

Pense, analise, avalie…

Está bem! Eu respondo com exatidão!

Nenhuma delas!

Sim… É isso mesmo!

Não importa raça, cor, idioma, idade, país, clima. Sempre existirão problemas para qualquer pessoa que habite este planeta.

Problemas de todas as ordens, tamanhos e consequências.

Eles são diferentes para cada pessoa. Mas eles estão lá. Mesmo quando algumas pessoas nem tenham consciência da existência de seus problemas!

Mas, podemos convencionar o seguinte:

Problema é um nome que damos às coisas que são diferentes daquilo que desejaríamos.

Pode ser uma situação a ser corrigida, mudada ou algo que gostaríamos pelo menos que fosse diferente.

Podemos entender que problemas são como espinhos de uma rosa. Então, se você desejar a rosa, é bom se acostumar com os espinhos. Eles fazem parte da rosa.

Isso pode acontecer em inúmeras situações da sua vida!

Por exemplo: Se você ama alguém, essa pessoa sempre trará “espinhos”, geralmente de ordem comportamental. Embora muitos espinhos comportamentais possam ser aparados e corrigidos com o tempo, muitos deles nunca desaparecerão.

Assim poderíamos listar muitas situações normais do nosso dia-a-dia que se figurariam como problemas. No entanto, depende de nós, como iremos aceitá-los e encará-los.

Quer uma sugestão?

Só há uma coisa a fazer com os problemas: resolvê-los um a um. E nem adianta torcer para que eles desapareçam.

Então, escolha algum deles, enfrente-o e resolva-o. Sentindo aquela “Felicidade” especial, por essa vitória e em seguida partindo para o próximo.

Os antigos celtas já afirmavam que: A melhor maneira de escapar de um problema é resolvendo-o.

Logo, você descobre que se tornou “craque” em resolver problemas. E, por consequência, se sentirá cada vez mais leve com isso. Sigmar Sabin –sigmarsabin@bomdiahoje.com.br –www.bomdiahoje.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *