Sabemos O Que RH Faz, Mas Sabemos O Que Realmente Entrega???

Antes de começarmos gostaria de contar uma experiência que vivi na antiga empresa que trabalhava. Eu tinha o costume de frequentemente visitar nossos clientes junto com meu gerente regional de vendas, e ao chegar ao cliente eu começava a analisar os relatórios anuais de negócio, catálogos de produtos e outras informações importantes da empresa. Ao entrarmos na reunião com o cliente a primeira pergunta que me faziam era: “O que um diretor de RH está fazendo em uma visita no cliente?”, como querendo dizer: “O que você está fazendo aqui se você não entende nada de negócios?”, mas ao iniciarmos a conversa, o cliente logo percebia que não somente conhecíamos de negócio mas que nossa visita tinha finalidades certas.

Conto esta historia pois na minha maneira de ver ela capta o passado, o presente e o futuro da área de RH. Há 20 anos atrás seria impensável que um profissional de RH considerasse investir seu tempo com os clientes externos. Os profissionais de RH eram responsáveis por recrutar, pagar, treinar e criar programas e políticas que focassem nos empregados e que atendesse as leis locais. Na última década, os profissionais de RH tem trabalhado fortemente para serem parceiros estratégicos e alinhar seu trabalho com as estratégias do negócio. E cada vez mais os profissionais tem sido empurrados há passar mais tempo com seus colegas de marketing, manufatura e vendas para garantir que o trabalho de RH ajude a empresa a entregar seus resultados. Mas esta historia também nos sugere qual será o próximo passo para RH: começar a conectar-se com aqueles de fora como faz com os de dentro.

Para isso os profissionais de RH tem que ter muito claro o conceito de valor. Valor significa que alguém receberá alguma coisa de uma transação, ou seja, a luz deste conceito, valor é definido por quem recebe e não por quem dá. Profissionais de RH adicionam valor quando seu trabalho ajuda alguém a alcançar seus objetivos. Não é o desenho de um programa ou a declaração de uma política que interessa, mas se quem está recebendo ganha com estas ações. Em um mundo cada vez mais escasso de recursos, atividades que falham nesta tarefa de adicionar valor não devem ser continuadas, não importa quão interessante ou valiosa esta atividade possa parecer; se quem recebe os resultados desta atividade não encontra valor nelas, a continuidade destas atividades não podem ser justificadas. Isso significa que RH deve ter uma proposição de valor, ou seja, as práticas, áreas, e profissionais produzem resultados positivos para seus acionistas, empregados, gerentes de linha, clientes e investidores.

Portanto valor se tornará o foco de RH, ou seja, quando os outros recebem valor do trabalho de RH, ele será acreditado, respeitado e terá muito mais influência. Lembre-se como o cliente da historia que contei no inicio deste texto fez a pergunta : “O que RH faz aqui”, nossas áreas de RH devem estar preparadas para responder estas perguntas e porque os acionistas, líderes e empregados irão beneficiar-se se investirem seu tempo com os profissionais de RH ou adotando políticas e práticas inovadoras de RH?

Pense nisso e na próxima semana, continuaremos esta discussão…até lá.

Paulo Bolgar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *