Selecionando Equipes De Alto Desempenho

É uma tendência vermos líderes escolhendo profissionais que se parecem com eles para compor suas equipes, pois é mais fácil se relacionar com pessoas que tenham valores similares aos nossos. Quando pensamos de maneira semelhante, o entendimento torna-se agradável e prazeroso.

Normalmente, esse clima de entendimento é bem visto pelas gerências, pois não se têm tensões no processo decisório e raramente acontecem discussões acaloradas. Entretanto, esse bom relacionamento social pode gerar comportamentos estereotipados e bem próximos de uma agradável zona de conforto. Nesses casos corre-se o perigo de haver pouca evolução nas práticas gerenciais, pois o grupo tende a ter pouca criatividade e baixo comportamento inovador.

Peter Drucker afirma que as empresas não devem criar clima de felicidade e bem-estar como objetivo final. O bom ambiente é apenas um meio de incentivar o bom desempenho. Segundo o autor, devemos criar ambientes saudáveis, para que possam existir opiniões divergentes. “Deve-se criar um clima de pontos de vista divergentes, mas com ação convergente”, onde possa discutir abertamente questões empresariais, independente de agradar o líder. Evidentemente que tal ambiente exige seleção de indivíduos dinâmicos e assertivos ao invés de semelhantes, pois grupos uniformes e passivos são pouco criativos.

Na atualidade, vivemos em ambientes de negócios altamente competitivos e as empresas devem ser criativas e inovadoras. As que não forem correm o risco de sofrer crises ou desaparecerem. Nessa visão, torna-se importante ter equipes diversificadas.

Como consultor, procuro conscientizar os dirigentes empresariais de que um dos objetivos primordiais dos líderes é integrar suas equipes. Isto significa fazer com que pessoas diferentes, com funções diversas e formações específicas ajam com objetivos comuns. Exemplifico com o comportamento de uma orquestra sinfônica: são músicos com diferentes instrumentos, partituras diversas, que atuam em tempos próprios. A função do maestro: integrar os diferentes instrumentistas sincronizando e harmonizando suas ações.

A complexidade dos negócios exige equipes tecnicamente diversificadas e com comportamentos abertos, onde possam discutir os problemas sem medo de desagradar os dirigentes. Em qualquer atividade ou empreendimento de alto risco devemos integrar as equipes, bem como comprometê-las com os resultados finais. A palavra-chave para essa integração é a negociação entre os membros. Se o maestro estudar e planejar sozinho, dificilmente conseguirá um desempenho que agrade ao público.

Lembrem-se, senhores líderes empresariais: uma de suas funções básicas como gerente é integrar e harmonizar suas equipes, como um maestro integra os músicos de sua orquestra, isso vale, sobretudo, em época de crise mundial como a que estamos passando. Comunicações abertas, negociação e diálogo são condições necessárias para esse trabalho em equipe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *