Somos Descendentes de Atlas

Quem nunca se deparou com a imagem mitológica de um homem forte carregando um globo nas costas? É a figura do titã Atlas que após perder a guerra contra os Olympus foi condenado por Zeus a carregar a abóboda celeste por toda a eternidade. Ele literalmente carrega o peso do mundo em suas costas, ou seja, carrega além do seu suplicio, o sofrimento de todos os homens da terra. O cansaço dele é o cansaço de muitos.

Quantas vezes não nos sentimos assim, literalmente carregando o mundo nas costas? Carregando um fardo que quiçá nem é nosso, um peso que parece insuportável. Trazemos em nossos ombros os nossos problemas, os de nossa família, os de nossos filhos, de nossos empregados, do patrão, do marido, da mulher; e assim segue-se uma lista enorme de coisas, de situações e pessoas que carregamos diariamente com a ilusão de que podemos resolver tudo. E mais, que é possível fazermos tudo isso sozinhos. Não foi a toa o Zeus condenou Atlas a carregar o mundo nas costas. Este é um suplício digno de um titã.

Mas o que fazer quando nos sentimos assim? A cada dia somos mais pressionados pelo tempo, pelas pessoas a nossa volta. Cobrança de resultados, comportamentos e status. Cada dia é uma luta pela sobrevivência que exige todas as nossas forças. Vemos que nossa abóboda celeste só aumenta.

Esta caminhada pode ser linda e gratificante, mas muitas vezes não conseguimos aproveitá-la como deveríamos, pois já estamos pensando no próximo dia de luta que teremos. Que temos seguir conquistando espaços, abrindo portas, trazendo o metal precioso que coloca os mantimentos na mesa de nossa família.

Àqueles que almejam uma vida plena de realizações e prosperidade, trago notícias que não são boas nem ruins, são apenas constatações: primeiramente, só depende de nós; segundo, não há caminho fácil; terceiro, se não aproveitarmos a caminhada estaremos colocando nossa vida fora. E é sobre isso que devemos colocar nossa atenção, sobre o caminho que percorreremos.

É fundamental que não depositemos todo o peso de nossa felicidade e a dos outros sobre o resultado que almejamos, pois ele pode muito bem não acontecer. Mas e se não tivermos sucesso nesta ou naquela empreitada? Devemos seguir, pois certamente a vida nos apresentará mais várias oportunidades. Por isso devemos estar com as pernas e os ombros fortes, para podermos suportar tantas batalhas quantas nos forem apresentadas. As coisas nunca ficam mais fáceis. Pelo contrário, nossas responsabilidades só aumentam com o passar do tempo, com a experiência adquirida e com as vitórias alcançadas.

Tratemos de viver nossas vidas com intensidade como ensina Fernando Sabino, sabendo que o valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis. Divida com as suas pessoas queridas tanto os bons quanto aos maus momentos. Algumas vezes o simples fato de estarmos juntos de bons amigos faz com que tudo fique mais leve e divertido. Não desista, pois coisas maravilhosas ainda vão acontecer enquanto estivermos respirando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *