Cinco Dicas Para O Sucesso Da Empresa Familiar

1

Algumas reflexões sobre os caminhos das empresas familiares, seus problemas e soluções e a sua sobrevivência pela profissionalização total   Um resumo do conteúdo do áudiolivro “As 10 Dicas Para o Sucesso da Empresa Familiar” (dicas comentadas)

Dica 1: Entender que os problemas podem estar escondidos sob uma cortina do sucesso financeiro e social e procurar definir claramente sua origem e dimensão…

Comentário do autor : o negócio familiar começou a gerar dinheiro e a família já começou a se envolver com a elevação do status social, restaurantes, shoppings, roupas de grife, eventos, viagens ao exterior, carros importados, aquisição de imóveis…recomendamos reunir a família (esposa,filhos,parentes envolvidos) e refletir o negócio, repensar sua estrutura e funcionamento, organizá-lo adequadamente, gestão e operações, para que seja perpetuado, continue gerando o conforto e o bem estar que a família faz por merecer e o seu novo padrão de vida….

Já convivemos com essa situação orientando famílias que alertamos para “segurar a onda” com sucesso….E também já conhecemos famílias que orientamos espontaneamente, apesar de não contratados para isso, mas não acordaram em tempo, apesar de alertadas…. Daí, recomendamos também pôr os pés no chão, segurar o freio dos gastos supérfluos e investir no aumento de patrimônio mais sólido, tanto a nível pessoal, como da organização, permitindo a segurança de reservas e capital de giro, quando for necessário…E também pedir ajuda, quando se tornar necessário!

Dica 2:Compreender que num universo onde existem mais de 02 pessoas, as decisões tem que ser compartilhadas e exercitar esse processo desde o início da empresa…

Comentário do autor : mesmo sozinho como proprietário, normalmente a pessoa tem alguém da família com quem trocar idéias (irmãos, pais, esposa, marido) ou amigos mais íntimos…ainda é melhor opção que decidir sozinho…..Por outro lado, quando a sociedade envolve marido e mulher, necessariamente as decisões tem que ser compartilhadas, até mesmo com os filhos, se tiverem idade para compreender o que acontece…..Se envolver mais de um casal, tipo dois irmãos, que são sócios, mas também são casados, mesmo que seus companheiros não participem, também a decisão deverá ser compartilhada entre os sócios e também com os companheiros em casa, para ficar mais clara, mais lúcida.

Se os sócios forem dois casais, as quatro pessoas deverão sentar na sala de reunião e discutir o melhor caminho….em suma, sempre uma decisão compartilhada será melhor que uma isolada, seja por envolver pessoas com r visões diferentes do negócios, mas também por enriquecer a decisão e reduzir os riscos de errar….Lembro, que nos dias atuais, qualquer erro de trajetória poderá ser fatal ao negócio….

Dica 3: Criar processo de treinamento e capacitação interna e externa dos herdeiros e sucessores, com orientadores previamente definidos, de forma que venham para a empresa já com formação básica e conceitual definida e conhecimento do funcionamento da mesma…

Comentário do autor: nenhum herdeiro nasce pronto para ser um executivo brilhante, mesmo que tenha herdado o talento dos pais…é preciso cuidado com o “Ego” e criar um processo de preparação adequada dos herdeiros desde o início das atividades da empresa, envolvendo todos, homens e mulheres, com os mesmos direitos, desde que desejem vir para o negócio da família e tenham capacidade para ser integrados….

Deverá ser criado um Programa de Preparação dos Herdeiros, envolvendo : formação acadêmica básica mínima de nível superior (…ôpa, eu nunca estudei e tenho tudo isso ! , poderá dizer o pai….eu respondo : é verdade, bons tempos esses, mas no futuro, com a competição cada vez mais acirrada, terão melhores chances os que estiverem melhor preparados, é isso que você deseja para seu filho?…Ou quer vê-lo naufragando os negócios da família ?….) . Externamente, poderão fazer cursos, eventos e trabalhar no exterior em negócios que nada tenham a ver com os da família e onde serão tratados como “pessoas comuns”, irão “ralar para demonstrar seu valor” e aprender a fazer seus próprios pratos, talvez a “lavar sua própria roupa”, enfim crescer como pessoas e profissionais…..Poderão também fazer estágios ou atuar em outros negócios no próprio país, após se formarem, antes de vir para os negócios da família, trazendo com isso conhecimentos (know-how) novos, que irão “oxigenar a estrutura”…

Internamente, a partir dos 15 anos, poderão ir conhecendo a empresa, suas rotinas e processos, para decidir, quando forem estudar, se querem ou não “aquilo” (é o que dizem), para si…Caso não queiram, um quer ser advogado, outro médico, os pais deverão entender e até se sentirem aliviados, porque seus negócios estarão permitindo a seus filhos atingir seus sonhos e metas…Essa é uma finalidade maior dos negócios, que deveria estar na sua missão… Temos feito por solicitações de amigos, o trabalho de “coach” (conselheiros) em alguns casos, orientando jovens herdeiros, um papel que os empresários poderão requisitar no mercado ou a outros empresários amigos, que tenham jeito para “serem padrinhos de jovens herdeiros”….

Dica 4 : Criar um conselho de família para definir entrada e saída de famíliares nas empresas, gestão dos recursos financeiros e materiais e política geral…

Comentário do autor: os conselhos tem uma constituição simples, juntando-se os sócios, os membros do conselho, seus familiares e decidindo quem irá fazer parte, com representantes das famílias, de forma que ninguém fique de fora…..Se os sócios forem quatro famílias, pelo menos um membro de cada família deverá constituir o conselho de família, que não deverá ser confundido com outros conselhos (de sócios, administração…).   Este conselho, poderá ter um estatuto, que poderá ser registrado, formalizando suas decisões, com as famílias, assinando oficialmente e delegando aos seus representantes autoridade para decidir nos assuntos da sua competência, criando normas, iniciando normalmente pela normalização da entrada e saída de familiares e gestão dos recursos financeiros, materiais e política geral….

Quem poderá entrar na empresa ? Quais os critérios ? Qual o processo de integração ? Vai seguir carreira ou direto para níveis de decisão ? Recomendamos considerar como normal a entrada de quem venha para contribuir, para enriquecer a empresa, que tenha formação compatível, vontade, prazer em vir trabalhar, sem ser forçado pela família….

E quem deverá sair da empresa ? Aquele que só arruma encrencas com as pessoas ? O parente herdado, por falecimento de sócios ou outros parentes mais próximos, que você acredita estar socialmente ajudando, dando um alto salário, um cargo de respeito, independente da sua competência……Esse papel já é antigo demais, é hora de repensar sua atitude e tomar a melhor medida para seu negócio, mesmo que arrumando outro lugar para esse “personagem”…”o incompetente familiar”….

Quanto aos recursos, seja uso de veículos, imóveis, produtos da empresa, particularmente, o conselho deverá prever em seu estatuto e normas, mas evitar que parentes que não usam em hipótese alguma, por respeito, entrem em choque com outros que não fazem cerimônia, nem sintam constrangimento algum em usar…..Se todos concordaram, talvez o apartamento da praia, adquirido para hospedar executivos dos clientes, também possa ser usado pelos familiares dos sócios…. Nesse caso,é bom fazer uma escala dos feriados e datas básicas para evitar que mais de uma família marque a mesma data…..Quanto aos veículos da empresa, a melhor alternativa é colocar adesivos chamativos e cada um usar seu próprio carro nos fins de semana…Os pagamentos de contas em supermercados, postos de gasolina e outros locais, quando particulares, deverão ser feitos com seus próprios cheques e não com os da empresa, gerando um “caos na contabilidade”….Gastou, então pague com seu dinheiro, essa é a regra de ouro.

Dica 5 : Proporcionar absorção de familiares nas empresas desde que cumpridas as regras definidas e venham para somar.         Da mesma forma, preparar a saída daqueles que estejam destruindo a gestão familiar.

Comentário do autor : como já comentado na dica 4, o conselho de família irá definir as normas para entrada e saída dos familiares e as regras básicas deverão ser basicamente as definidas acima. Quer vir para os negócios da família, é formado, vai contribuir, vai enriquecer o negócio ? Então será bem vindo ! Se for para atrapalhar, é melhor ficar em casa e receber mesada !   Ou ir estudar e fazer carreira fora dos negócios e talvez ter o seu próprio negócio, quando descobrir sua vocação…

Tenho um caso de um conhecido, que tem uma fábrica de bolsas femininas, com lojas em 04 shoppings e o filho mais velho quer montar uma academia de ginástica, sem nunca ter feito educação física, apenas por que é “marombeiro” (….malhador de academias….), não tem formação superior, não tem experiência, não atua no negócio da família, nem quer saber de trabalho pesado…..é um risco muito grande de não dar certo e família está “com a pulga atrás da orelha de medo de investir e quebrar a cara”…. E também não querem investir em ajuda externa ! (o conflito entre ser pão-duros e investir em ajuda ou no negócio desejado).

 

Autor : Prof.João Mariano de Almeida, administrador de empresas, com pós em RH e mestrando em Gestão de Negócios, atuando desde 1981, em T&D (para formar e reciclar lideranças) e produtividade pessoal (redução dos ciclos das atividades). Também desenvolve Projetos de Melhorias dos Resultados (PMR),focando marketing-vendas, compras-estoques, produtividade-processos, redução de custos-desperdícios, nas empresas familiares. Em RH, forma multiplicadores nos processos de avaliar desempenho-rever funções-atividades-responsabilidades-autonomia. É autor do kit de áudiolivros “As 10 Dicas para o Sucesso da Empresa Familiar”. pmr.mariano@bol.com.br

Motivação Nas Organizações

toc

É inegável a importância da motivação para o bom funcionamento das organizações, e que o grau de desempenho dos colaboradores é determinado pelo o que os motiva. Assim sendo, se os líderes desejam melhorar os resultados de uma organização, precisam dar atenção aos níveis de satisfação dos seus subordinados, direcionando seus esforços para o alcance dos objetivos e metas organizacionais.

Lembrando sempre de que as pessoas possuem diferentes fontes de motivação, ou seja, o que é um estopim motivador para um, pode não o ser para o outro, mesmo porque cada um possui uma necessidade e ideais de vida diferentes.

O líder deve conhecer tais necessidades e ambições pessoais de seus colaboradores, de modo que possa oferecer subsídios para que consigam supri-las. Ao conseguir isso, as pessoas sentem que cumpriram o seu dever e que estão sendo devidamente recompensadas pelo seu trabalho, ao mesmo passo que expandem suas potencialidades e projetam-se profissionalmente.

É importante ressaltar que motivar é ir além do dinheiro e do desejo. É entender que o ser humano está em constante mudança e que a todo o momento suas prioridades, desejos, vontades e necessidades também mudam. Por isso é preciso estar atento, pois num eterminado momento, mesmo que a empresa tenha programas de motivação, bons salários, benefícios, etc. O desejo do colaborador vai mudar, e o que o motivava há um mês ou até mesmo uma semana, não será mais fator motivador hoje.

A solução então é conhecer os colaboradores, identificar suas expectativas e supri-las. De modo, a conseguir que os mesmos se engajem verdadeiramente com os objetivos da organização.  Jenifer Soares Romualdo

Tempestade

Objetivo:
Despertar no jovem o valor de sua pessoa no grupo. Mostrando como se deve ajudar mais na elaboração das reuniões, não deixando tudo nas mãos dos coordenadores, criando então uma integração maior no grupo, já que todos terão essa responsabilidade.Material: Cadeiras.

Participantes: No máximo 9 participantes.

Desenvolvimento:
Pessoas sentadas e uma pessoa de pé coordenando. As cadeiras devem estar bem próximas não deixando nenhuma falha entre elas, aí que está o segredo. As cadeiras também devem estar arrumadas na forma de um círculo. Fazer com que os participantes se mexam nas cadeiras direcionando-os para a direita ou para a esquerda, por isso devem estar bem próximos.

E quando o coordenador falar a palavra tempestade todos se levantam e trocam de lugar aleatoriamente, e enquanto isso o coordenador senta-se. Fazendo que com isso outra pessoa assuma a coordenação da dinâmica. Repetir o processo apenas três vezes para não se tornar cansativo. Depois que terminar a dinâmica, poderão ser feitas algumas perguntas como:

Como você se sentiu quando estava coordenando o barco?
Como você se sentiu quando estava recebendo as ordens?

E com as respostas pode se fazer uma comparação com a vida cotidiana do grupo.

Motivação:

Estamos num navio em auto mar. Estamos atravessando uma tempestade e temos que equilibrar o navio (e o mexer) e a partir daí use a criatividade, pois Jesus estará com você.

O Jogo Dos Quadrados

Objetivos: Levar os participantes a refletirem sobre a necessidade de cooperação, comunicação clara, formas de tratamento, flexibilidade e negociação.
Material: Envelopes com os jogos do quadrado.
Processo: Formar cinco grupos.
Preparar os envelopes, previamente, de modo que o de número 5 fique normal (todas as peças juntas) e que nos outros quatro as peças sejam embaralhadas, misturadas entre os envelopes.
Distribuir os envelopes, aleatoriamente, pedindo que “não abram, ainda.”
” Da atenção de vocês, dependerá quase 100% da eficácia desse exercício.”
“Se alguém já conhece o método ou o resultado desta atividade, por favor, não revele…
deixe que as pessoas descubram.”
O facilitador pode utilizar as pessoas que, porventura, conheçam a dinâmica, para fazerem o papel de observadores.
Proceder as instruções: “Quaisquer outros aspectos que não estiverem enquadrados nas regras que vamos lhes passar serão permitidos.”
Regra nº1: “Não pode falar! Qualquer outra forma de comunicação , que não seja verbal é permitida.”
Regra nº 2: “Não pode rasgar, dobrar, amassar, quebrar ou riscar nenhuma das peças nem o envelope.”
Regra nº3: “Vocês vão construir, cada grupo, um quadrado, com o material que está dentro do envelope de vocês.”
Se os grupos não perceberem que terão de efetuar a troca, o facilitador pode dizer depois de algum tempo: “Nem sempre a solução para os nossos problemas está em nossas mãos!” …
até que todos se movimentem, em silêncio, e concluam o exercício, formando cinco quadrados.
Os quatro grupos que estão trocados ficam intrigados porque um grupo terminou tão rápido (justamente o grupo que não estava com as peças trocadas).
Depois que todos tiverem terminado, voltar ao grupão original e proceder os comentários, sentimentos e aprendizado.

O Gráfico Da Minha Vida

Objetivos: Dar a todos os participantes uma oportunidade de fazer um feedback de sua vida. Todos poderão expressar suas vivências e sentimentos ao grupo.
Material: Folhas de papel em branco, lápis ou caneta.
Processo: O animador do grupo inicia explicando os objetivos do exercício. A seguir, distribuirá uma folha em branco para cada participante. Todos procurarão traçar uma linha que, através de ângulos e curvas, represente fatos da própria vida. Os fatos podem limitarse a um determinado período da vida: por exemplo, os últimos três meses ou o último ano.
O gráfico pode expressar vivências e sentimentos do tipo religioso, familiar, grupal ou social.
A seguir, um a um irá expor ao grupo seu próprio gráfico, explicando os pontos mais importantes.
Terminado o exercício, seguem-se os comentários e depoimentos dos participantes.
Outras Formas
1. Descrever cinco acontecimentos mais marcantes da própria vida, e apresentá-los ao grupo, em ordem de sua importância.
2. Descrever com dez palavras os traços da própria personalidade que mais marcam a vida.
3. Que epitáfio você gostaria para seu túmulo?

Organizando O Seu Tempo

Para sobrar mais tempo, é preciso escolher e priorizar atividades.1. É preciso refletir sobre o uso do seu tempo antes de tentar fazer algo para mudar. Existem épocas que são especialmente propícias e estamos mais sensibilizados para isto, por exemplo, ao final e início do ano, no aniversário etc. Então, reflita sobre o que houve de bom e de ruim.

2. Reveja seus valores pessoais e estabeleça prioridades em relação ao presente e ao futuro. Pense com bom senso, como você gostaria que a sua vida estivesse dentro de dois anos.

3. Comece a avaliar seu tempo verificando como o utiliza. Verifique como tem gasto seu tempo no dia a dia. Anote quanto tempo gasta nas diversas atividades, mesmo as de rotina, como dormir, cuidar da higiene, se alimentar.
4. Escreva e analise. Busque verificar o que você poderia deixar de fazer, o que poderia ensinar outro a fazer e o que seria importante começar a fazer para seu futuro.

5. Para o seu dia a dia, escolha uma ferramenta: agenda, celular, bloco de notas ou mesmo uma folha de papel.

6. Coloque na agenda os compromissos pessoais e profissionais para o presente e para o futuro que não gostaria de adiar. Pense pelo menos uma semana à frente.

7. Agora pense no dia seguinte: anote as atividades fundamentais para o dia seguinte; seja econômico, pense somente nas 5 a 7 mais importantes.

8. Ao final do dia, avalie o que fez e repita o processo para o próximo dia.

9. De vez em quando, nas datas propicias, a cada trimestre, por exemplo, reflita sobre os meses anteriores, voltando ao passo 1. Festas de final de ano são sempre momentos importantes para reflexão. Uma boa dica é refletir sobre o que passou. Pensar o que fez de bom e o que aconteceu de ruim. O que quer continuar fazendo e o que quer deixar de fazer. Lembre-se que para mudar, é preciso querer.

10. Para usar melhor seu tempo pense e escolha suas prioridades de vida, ou seja, tanto pessoais como de trabalho. Afinal, você trabalha e ganha dinheiro para que? Escreva seus “sonhos” pessoais e profissionais, que possam ser atingidos para os próximos dois anos.

11. Tenha uma agenda. Não é preciso ser eletrônica, ou num aparelho eletrônico, ou num celular sofisticado. No papel serve. Coloque nela os compromissos de trabalho e pessoais (lazer, família e coisas que gosta e não quer deixar de fazer). O cabeleireiro, o cinema, a cerveja com os (as) amigos (as), tarefas e coisas que não pode deixar de fazer no trabalho…

12. Liste também seu investimento no futuro: um curso de idiomas que tem que fazer; a carteira de motorista profissional que quer tirar; etc.

13. Agora comece a praticar. Novamente o equipamento não é importante. Escreva numa lista as atividades importantes e que não podem deixar de ser feitas no dia seguinte.

14. Seja econômico, não liste mais de dez.

15. Inclua as atividades pessoais que não pode deixar de fazer.

16. Passe para outros fazerem ou ajudarem em parte das atividades que não forem tão importantes para você.

17. Ao final do dia, verifique o que conseguiu fazer e, faça o mesmo no dia seguinte.

18. Não se esqueça das atividades de progresso futuro profissional e de seus sonhos.  Fernando Serra

A Hora do Testamento

Objetivo: Sensibilização, troca de feedback´s, despedida.

Material: Papel e caneta (uma folha e uma caneta para cada).

E Todos deverão escrever neste papel o seu testamento, mas não poderá citar nenhum bem material, ou seja, ignore a possível existência do dinheiro.

E Cada participante deverá comentar como gostaria de receber aquele “bem” que lhe foi oferecido.

E Por que escolheram certas coisas para certas pessoas?

E Todos os bens foram realmente distribuídos?

E Como foi distribuir bens não materiais?

E Qual o sentimento que ficou?

A Barca

Avaliação

Objetivo: Avaliar uma atividade ou um evento.

Material: Uma folha de papel kraft.

E Confeccionar uma barca com o papel kraft.

E Em círculo, sentados no chão ou em pé.

E Passa-se a barca pelos participantes.

E Cada um deve colocar dentro da barca uma coisa de que gostou no curso (uma qualidade), e retirar

alguma coisa que incomodou (um defeito).

E O coordenador deve alertar a todos os participantes que só podem tirar e colocar uma coisa cada um.

E Deve-se dar um tempo para que se reflita sobre tudo que aconteceu antes.

Fábrica de Barcos

Planejamento

Objetivo: Planejamento participativo; análise do modelo de qualidade; negociação; trabalhar as dificuldades do processo; tomada de decisões; crenças e valores individuais; argumentação.

Material: 10 folhas de papel de seda; 05 folhas de papel celofane; 05 folhas de cartolina colorida; 20 varetas; 01 carretel de linha nº 10; 02 tesouras; lápis, réguas, cola; 1 rolo de barbante; fita métrica.

E O instrutor solicita que os participantes se subdividem em duas equipes e se posicionem em locais estratégicos na sala.

E A seguir anuncia:

“Somos uma fábrica de barcos e estamos nos preparando para uma grande feira internacional. Precisamos apresentar produtos de qualidade, já que nossa presidência espera obter lucros com essa exposição. A equipe que apresentar barcos mais bonitos ganhará premiação extra. Nossa tarefa consiste em Fazer O Planejamento Desses Barcos. Teremos 1 hora para planejar e 40 minutos para confeccionar os barcos. Solicito às duas equipes que, no primeiro momento, Somente Façam O Planejamento. Ao terminar o tempo, aguardem instruções do facilitador quanto à execução.

O  material para as 2 equipes se encontra neste stand e poderá ser adquirido assim que o stand abrir. Haverá alguns cartazes elucidativos, tais como os Indicadores de Qualidade, tabela de preços dos produtos ao almoxarifado, etc. Ganha o jogo a equipe que fizer o maiôs número de pontos.

A partir de agora vocês terão 1 Hora Para Planejar. Podem iniciar. São……. horas”.

E Enquanto os grupos planejam, o facilitador coloca o cartaz contendo os Indicadores De Qualidade em local visível a todos.

Indicadores De Qualidade

1) Os barcos deverão ter, no mínimo, 30 cm de comprimento.

2) Cada barco deverá ter, no mínimo, 2 cores.

3) Os barcos deverão ter aparência bonita.

E No stand de materiais para confecção dos barcos, haverá, também, uma tabela de preços onde o atendente irá inscrever os materiais requisitados e o valor (preço) dos mesmos, a fim de estabelecer, posteriormente, uma relação custo-benefício para cada equipe.

Tabela De Preços

– Folha de Seda: R$ 0,30

– Tesoura: R$ 2,00

– Folha celofane: R$ 0,30

– Cola (tubo grande): R$ 0,30

– Cola (tubinho): R$ 0,10

– Régua: R$ 1,00

– Folha de Cartolina: R$ 0,50

– Metro da linha: R$ 0,10

– Carretel: R$ 1,50

–  Metro barbante: R$ 0,05

– Vareta (unidade): R$ 0,05

– Vareta (feixe com 20): R$ 0,60

E Cada equipe deverá escolher um representante, este será responsável pela execução do planejamento.

E Ao término do período de planejamento, começa a fase de execução dos barcos.

Observações:

Geralmente as equipes esquecem que são de uma mesma empresa e passam a atuar isoladamente. A aquisição de materiais é praticamente imediata. Algumas vezes, um dos grupos se antecipa para adquirir quase todo o material e “deixar o outro na mão”. Observar como se processa essa negociação de materiais entre as equipes é importante.

A avaliação do produto final de cada equipe deve levar em conta os indicadores de qualidade expostos em painel, além de estabelecer a relação custo-benefício. Durante todo o tempo da atividade deverá haver um indicativo à disposição com o preço de oferta/venda de cada barco na exposição pretendida, a fim de facilitar a possível visão custo/benefício da produção.

Convém analisar ainda: Havia planejamento escrito?

Retirar com o grupo uma sugestão escrita de como resolver os problemas empresariais vivenciados.