Um Vício de “Postura Verbal”

Eu acho que tem uma mosca na minha sopa!

Às vezes alunos questionam a expressão “EU ACHO que…”. Na minha opinião é VICIO DE LINGUAGEM. Por dois motivos. Emprego indevido. E repetição seguida. Quando? diante do público, em reuniões, nas entrevistas, quando o correto seria: A PROPÓSITO de sua pergunta, ACREDITO que, ENTENDO que, POSSO ADIANTAR que, CONSIDERO revelante afirmar que, etc. Atenção: se é cargo, representante, o ideal é manifestar na PRIMEIRA PESSOA DO PLURAL. Nós entendemos que.

CONCORDA?

Comunicação é uma coisa (é falar COM pessoas, espontaneamente: conversa, diálogo, bate-papo, filigranas).

Oratória, é outra (é falar PARA pessoas.A mensagem deve ter sentido, ser objetiva e clara nas ideias e, é evidente, certo cuidado no linguajar).

Onde está o problema? As pessoas falam “por si” e esquecem que exercem a “fala” como diretor, gerente, gestor, vendedor, médico, engenheiro, telefonista, garçon. Neste caso “é a autoridade no assunto” que está FALANDO dentro da pessoa. Assim, se aplicaria a expressão “eu acho” quando OPINA? quando DECLARA? quando COMENTA? quando MANIFESTA? quanto EXPLICA um conhecimento que DOMINA? uma posição que REPRESENTA? Então o que “você acha” (rsrs)?

Exemplo DEFINITIVO, simples e direto. Um casal vai a um restaurante e pede, de entrada à refeição, uma sopa de “capeletti”. O garçon prontamente atende e coloca dois pratos diante dos clientes, faz uma mesura, e se retira. O homem olha para a sopa e se depara com uma inconveninte e insuspeitada “mosca” nadando na sua sopa. Chama o garçon. E lhe diz, apontando para o inseto: “Olha, EU ACHO que na minha sopa tem uma mosca!!!” Pergunto: tem ou não tem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *