Você Conhece A Kátia Flávia ?

2

Kátia Flávia vivia em seu mundinho de correria. Viu alguém passando atrasada, nas pressas por aí? Era Kátia Flávia.

Seu maior companheiro era o relógio. Tinha vários. O de pulso, o do carro, o do celular, o do despertador. Acorda, Kátia Flávia, já é hora de ir pra faculdade!

E lá vai ela no seu banho matinal de 5 minutos. Fingindo estar acordada, entra no carro, liga o rádio. Dá uma olhadinha no relógio. São 7hs:42. Herbert Viana, dos Paralamas do Sucesso, era quem cantava: “Ah! Eu acordo pra trabalhar, eu durmo pra trabalhar, eu corro pra trabalhar”. E cantarolava a musica que chamava sua. Pudera. Kátia Flávia fazia de tudo e não tinha tempo pra nada.

Conversar com os pais? Só no fim de semana, e “olhe lá”, dizia ela apontando o dedo indicador pra cima, como quem diz: “é, minha filha, num é fácil não!”.

Kátia Flávia adorava a combinação mar e pôr-do-sol. Adorava o som do moço que vendia chegadinho na porta de sua casa. Adorava empurrar o pé na parede para balançar a rede. Adorava filosofar sobre as coisas da vida com as primas que só via de seis em seis meses. “ E olhe lá” Ah! Ela adorava essa frase. Adorava conversar com o pai sobre o “príncipe encantado que não chega” e com a mãe sobre ser humilde na vida, acima de tudo. Adorava cantar com sua vózinha, todas as que a vovó mostrasse o sorriso de cantar. Adorava o seu cavalete de pintura, suas tintas e pincéis. Adorava quando visitava seu quase- afilhado e ficava falando coisas de adulto pra uma criança que mal sabe falar. Kátia Flávia adorava tomar sorvete à tardinha, mesmo que sempre deixasse marcas de chocolate na sua roupa nova. Adorava bater fotos espontâneas, fotos que congelassem o momento de distração de pessoas queridas.

Ah! Kátia Flávia! Você com esse seu tempo maluco hein? Esqueceu que ama tanta coisa, que se diverte com coisas tão banais, que esqueceu de viver mais. Esqueceu de dizer bom dia para o pai e que ta feliz porque a saúde dele vai bem, obrigada. Esqueceu de dizer para a mãe que adorou o almoço, de tão rápido que saiu para trabalhar. Ah! A Kátia Flavia? Acorda pra trabalhar, dorme pra trabalhar, corre pra trabalhar.

O sol já se foi e Kátia Flávia estava a estudar. O chegadinho? Nem deu tempo de chamar o moço, pois estava atrasada pra ir pra musculação. Ede? Nem pensar… mal dorme na cama, como tem tempo pra se balançar na rede? As primas não vê há séculos e se pergunta se estão de namorado novo, se estão gostando da faculdade ou se voltaram a fazer natação. Não conversa com os pais há duas semanas, de tão cansada que chega em casa.

Tem até preguiça de falar, de tanta coisa que fez. A pintura deixou pra lá, não por falta de dom, mas por falta de paciência para apender a misturar as cores. Talvez tenha perdido até a sensibilidade, sei lá. O quase afilhado, coitado, já deve ta falando pelos cotovelos e ela nem teve tempo de ensiná-lo a falar : “ tia Kataflá”. Nada de sorvetes, nem fotos espontâneas. Nenhum registro na roupa nem nos álbuns de fotografia.

O que foi mesmo que ela fez esse ano? Ah! Lembrou… Chorou de saudades da avó que se foi. A vó que adorava cantar e fazer bordados. Se foi, sabe quando? Quando Kátia Flávia estudava para a prova de história. Pois foi.

E no ano que vem, heim, Kátia Flávia? Pretende aprender a falar japonês também é?

Pretende ganhar um aumento no salário, ser promovida? Quer ter o dicionário como o livro de cabeceira? Vai continuar dirigindo por aí, atrasada, como sempre? Ah não, Kátia Flávia. As pessoas se vão um dia, sabia? As pessoas e as intimidades, viu? O pôr-do-sol, as árvores do teu caminho, tudo está ali…E você nem vê. Quando é que você vai observá-las? Próximo mês “e olhe lá”? O tempo é agora, as pessoas querem te ouvir e te abraçar hoje! Não dá pra adiar. Já é Natal, acorda mulher.

Kátia Flávia acordou. Estava no trânsito, atrasada. Olhou para o moço do carro ao lado e parece que se viu. Viu uma Kátia Flávia por trás da testa franzida de preocupação do moço. E do lado esquerdo, uma senhora de quarenta e tantos anos, que buzinava desesperada, xingando Deus e o mundo, pra dizer que o sinal abriu. Mas não adiantou a pessa.

Naquele exato instante, Kátia Flávia direcionou o carro para a calçada. Todo mundo abriu alas. E por um instante os relógios pararam, o mundo parou. Lá ia, correndo, para salvar uma vida, a ambulância branca e vermelha. Uma vida cheia de amores e prazeres que podia estar se interrompendo ali.O mundo e o relógio pararam naquele instante. Kátia Flávia, pálida, descobriu sua cegueira para a vida.

Descobriu, depois de meses passando pelo mesmo caminho, uma praça, verde, lindíssima e crianças brincando, distraídas e felizes. E foi ali, diante da antítese morte e vida que Kátia Flávia acordou para viver mais.

Kátia Flávia hoje acorda para abraçar os pais, corre para ver o sol que se põe à beira-mar, dorme para descansar de mais um dia feliz.

Recebi via internet sem autoria

 

One Response to Você Conhece A Kátia Flávia ?

  1. A felicidade esta no prazer das pequenas coisas . Eu penso assim , porque sou feliz assim . Feliz ao ver uma rosa se abrir no meu jardim . Feliz pelo bom dia da minha filha . Feliz pelo sorriso do meus netos . Feliz ao receber um olá de alguém que passa por mim . Feliz porque amo e sou amada . Feliz porque apreendi a perdoar . Enfim , FELIZ PORQUE MAIS UM DIA EU ACORDEI !
    FELIZ NATAL !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *